Política

Quem pode cair deve ser solidário, diz Dilma sobre ajuda que deu a ciclista

A presidente Dilma Rousseff surpreendeu jornalistas nesta sexta-feira (25) ao misturar seu hábito de andar de bicicleta com as dificuldades políticas que tem enfrentado no Brasil desde o início de seu segundo mandato, em janeiro deste ano.


Em tom descontraído, Dilma comentou o episódio em que parou seu exercício diário para esperar socorro a um ciclista que havia caído nas imediações do Palácio da Alvorada, há dez dias.
“Todos nós, que podemos cair, temos que ser solidários”. E, após uma pausa de alguns segundos, emendou sorrindo: “no sentido amplo da palavra”.
Em seguida, questionada sobre as difíceis negociações travadas com o PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer, para fechar a reforma ministerial, Dilma mais uma vez sorriu e disse que seu carro havia chegado e, portanto, não poderia continuar ali.
Nesta sexta-feira a presidente assistiu ao discurso do papa Francisco na sede da ONU, reuniu-se com ministros e assessores para fechar os detalhes de seus discursos e das metas do Brasil para a redução de emissões de gases do efeito estufa, o INDC, e concedeu uma entrevista exclusiva para a emissora de TV americana CNN.
Alem disso, fez sua primeira reunião bilateral em meio aos encontros da ONU, com o presidente do Irã, Hassan Rouhani.
Segundo Dilma, os países estão “retomando as relações” e vão construir “oportunidades” entre empresários iranianos e brasileiros, com investimentos.
“Estamos fazendo um esforço grande para retomar o padrão [de fluxo comercial] que tínhamos antes do bloqueio”, declarou a presidente.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir