País

Queda de monomotor em SP mata ex-presidente da Vale

Sete pessoas morreram na queda de um avião monomotor na tarde deste sábado (19) em um bairro residencial próximo ao Campo de Marte, na zona norte de São Paulo.

Entre as vítimas do acidente está Roger Agnelli, 56, ex-presidente da Vale.

Além do piloto, também morreram a mulher de Agnelli (Andrea), sua filha (Anna) e seu filho (João). O marido de Anna e a namorada de João completam a lista das vítimas do acidente.

Os corpos foram levados à noite para o IML (Instituto Médico Legal), onde estavam até o momento.

Agnelli, 56, presidiu a Vale entre 2001 e 2011. Ele era considerado responsável pela ascensão da Vale ao posto de uma das maiores mineradoras do mundo.

O avião caiu por volta de 15h20 na rua Frei Machado, no Jardim São Bento, logo depois de decolar do Campo de Marte rumo ao aeroporto Santos Dumont, no Rio.

Encravado na cidade, o Campo de Marte é usado para aviação geral e executiva.

Segundo testemunhas, houve um barulho forte e em seguida a aeronave voou em direção a um sobrado de três andares. Havia cinco pessoas na casa, que escaparam pelos fundos do imóvel. Ninguém se feriu gravemente.

Com o impacto, o avião, cheio de combustível, explodiu, o que causou uma nuvem de fumaça preta vista a quilômetros de distância.

Segundo o major Hengel Ricardo Pereira, do Corpo de Bombeiros, o impacto contra o solo e a explosão carbonizaram os corpos das vítimas.

Para se certificar de que eram sete os ocupantes do avião, os bombeiros precisaram contar o número de crânios, disse Pereira.

Segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), o avião modelo CA-9, prefixo PR-ZRA, é de Roger Agnelli e estava em situação regular.

Trata-se de um avião experimental, trazido ao país pelo próprio Agnelli. A aeronave, um turbo-hélice, era considerada moderna por pilotos e tinha aparelhos de navegação de última geração.

Três peritos do Seripa 4 (Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) foram ao local dos destroços.

“Os corpos achados estavam dentro da fuselagem [do avião], muito prejudicados.”

Testemunhas disseram que a aeronave voava mais baixo do que o normal para região. “Vi o avião passando e deu para perceber que ele estava mais baixo do que o normal. Aí ele perdeu altura e bateu na casa”, disse Toni Sargologos, 46, que trabalha com construção civil.

A casa, de três andares, ficou queimada, assim como carros na garagem.

Um vizinho ajudou no resgate dos moradores.

“Eu estava dormindo. Acordei com um barulho. Fui pro quintal e vi o pessoal gritando, aí subi na escada e vi a casa vizinha atingida pelo avião”, contou Ciraco Portela Neto.

Ainda de acordo com ele, uma das mulheres gritava, pedindo que salvasse o seu filho. Portela Neto conseguiu então resgatar a criança e ajudou as duas mulheres a sair da casa atingida pelo avião.

Por Folhapress

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir