Sem categoria

Quadrilha de estelionatários é presa na Zona Leste

Os suspeitos foram autuados por estelionato, falsidade ideológica, associação criminosa e crime de concussão. O caso foi registrado no 28° DIP, onde continuará sob investigação para a conclusão do inquérito - foto: Narel Desiree

Os suspeitos foram autuados por estelionato, falsidade ideológica, associação criminosa e crime de concussão. O caso foi registrado no 28° DIP – foto: Narel Desiree

Sete pessoas que atuavam como conselheiros de segurança pública no 28º Distrito Integrado de polícia (DIP) foram presas em flagrante, por volta das 17h desta segunda-feira (25). A quadrilha de estelionatários utilizava a estrutura do órgão para efetuar cadastros ilegais de idosos no programa ‘Soldados da Borracha’ – alegando que eles receberiam a quantia de R$ 25.000 em indenização, liberado pelo Ministério da Previdência Social, no prazo de 90 dias.

A prisão ocorreu na própria delegacia onde funcionava o Conselho Interativo Comunitário de Segurança Pública, situada na rua Getulio Vargas, bairro Colônia Antônio Aleixo, Zona Leste de Manaus.

Segundo a titular do 28° DIP, delegada Tatiana Feijó, o grupo estava sendo investigado há 20 dias. Foi dada a voz de prisão em flagrante ao presidente do conselho e líder do grupo João Barreto dos Santos, 42, a tesoureira Maria do Socorro Macena Araújo, 54, o técnico em eletrônica Ataíde Alves da Silva, 47, a universitária Elizangela Ribeiro Gonçalves, 31, e mais três membros associados, identificados João Nogueira Ferreira, 43, Francilene de Almeida Siqueira, 43, e Núbia Neris Rodrigues, 34. Todos os conselheiros eram membros voluntários e utilizavam a estrutura da delegacia para obter vantagem financeira indevida.

Os suspeitos se passavam por conselheiros de segurança pública. Com eles, foram apreendidos a quantia de R$ 2.678 e aproximadamente 362 quilos de alimentos não perecíveis - foto: Narel Desiree

A quadrilha de estelionatários cobrava a quantia de R$ 10,00 e mais um quilo de alimento não perecível para efetuarem o cadastro – foto: Narel Desiree

De acordo com a delegada, o grupo cobrava uma taxa de R$ 10 e um quilo de alimento não perecível para realizar o cadastramento dos possíveis beneficiários – alegando que, no prazo de 90 dias, chegaria na residência dos cadastrados uma carta com informações sobre o recebimento da quantia citada.

No momento do flagrante, foram apreendidos três coletes do CICSP, carteiras de identificação, 260 fichas cadastrais, 362 quilos de alimentos não perecíveis e a quantia de R$ 2.678 mil em espécie.

Ainda conforme autoridade policial, a quadrilha agia na capital e no interior do Estado – nos municípios de Manacapuru, Novo Aripuanã e Presidente Figueiredo, oferecendo os mesmos serviços com cobrança ilícita – utilizando documentos de identificação do CICSP-AM falsificados e afirmando estarem sob a autorização da delegada.

“Recebemos uma ligação do delegado titular da 37ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) situada em Presidente Figueiredo, Normando Barbosa, informando sobre a ação do grupo naquela localidade. A partir daí, iniciamos uma investigação e descobrimos que eles agiam nos outros municípios, inclusive utilizando documentos com o CNPJ da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas (SSP/AM)”, relatou a titular.

Segundo o delegado da 3ª Seccional Leste, Pablo Geovanni, os membros do conselho também cobravam o valor de R$ 15 para a realização de outros serviços. “No momento do flagrante, descobrimos que eles ainda cobravam para fazer cadastramento biométrico no Tribunal Regional Eleitoral, agendamento no Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran/AM), encaminhamento de currículos, cadastro nos programas ‘Minha Casa, Minha Vida’ e ‘Menor Aprendiz’, do Governo Federal, além de orientação jurídica”, detalhou.

A investigação ocorreu por meio da ação policial conjunta da 3ª Seccional Leste e o 28º DIP. Conforme os delegados responsáveis pelo caso, quinze vítimas já foram ouvidas e confirmaram o ato ilícito praticado pelo grupo.

Ainda de acordo com os titulares, as investigações irão continuar e será apurado se houve participação de outras pessoas nas práticas ilegais. Os interessados em registrar Boletim de Ocorrência podem procurar o 28° DIP, localizado na Rua Getúlio Vargas, bairro Colônia Antônio Aleixo. Os números de contato da delegacia são (92) 3618-5200 e 3618-9269.

Os suspeitos foram autuados por estelionato, falsidade ideológica, associação criminosa e concussão. Ao término dos procedimentos, João Barreto, Ataíde Alves e João Ferreira serão encaminhados à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, situada no Centro da capital. Elizangela, Francilene, Núbia e Maria do Socorro serão conduzidas ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), onde ficarão à disposição da Justiça.

Por Narel Desiree (especial EM TEMPO Online)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir