Especiais Impresso

Piabeiros resistem as adversidades em Barcelos

A vida dos piabeiros, homens mulheres que vivem da pesca do peixe ornamental, às margens do rio Negro e dos milhares dos seus afluentes no município de Barcelos (a 399 quilômetros de Manaus), é a mais pura das literaturas da sobrevivência na Amazônia, com recursos naturais renováveis. Mas, na beleza da atividade artesanal, às margens da lei trabalhista, sem vínculo empregatício garantido e sem carteira de trabalho assinada, os piabeiros vivem abandonados pelo Estado. Apesar de serem a parte mais importante da atividade feita de forma artesanal, que nasceu em meados dos anos 1950, eles ainda são mal remunerados e por isso aparecem como a parte mais fraca de uma cadeia produtiva, que ainda passa por atravessadores e rende bons lucros aos exportadores. Neste cenário, a pesca de peixe ornamental, que já foi a 8ª em volume de exportação do Amazonas, e já garantiu trabalhou para mais de 10 mil pessoas em Barcelos, nos anos 1990, vive hoje em declínio, com poucas famílias se mantendo na resistência da atividade.

Fotos: RICARDO OLIVEIRA

_MG_9505

_MG_9542

_MG_9956

ALTA_MG_0015

ALTA_MG_9732

E4__MG_9383

EDITADAS_005

_MG_0542

_MG_0807

_MG_0951

_MG_1201

_MG_1276

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir