Política

PT abandona aliado de Paes após voto a favor do impeachment

A avaliação do prefeito é que, ao se declarar um "soldado" na defesa de Lula na ligação divulgada, sua imagem passou a ficar muito vinculada ao PT - foto: divulgação

A avaliação do prefeito é que, ao se declarar um “soldado” na defesa de Lula na ligação divulgada, sua imagem passou a ficar muito vinculada ao PT – foto: divulgação

O PT-RJ decidiu não apoiar mais o deputado Pedro Paulo (PMDB-RJ), aliado do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), após o peemedebista votar a favor da abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O voto de Pedro Paulo foi considerado no Palácio do Planalto como sinal da traição de Paes à presidente. O peemedebista defendia o mandato da petista até a divulgação das gravações com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A avaliação do prefeito é que, ao se declarar um “soldado” na defesa de Lula na ligação divulgada, sua imagem passou a ficar muito vinculada ao PT. Desde então, suas defesas enfáticas à presidente cessaram.

“A posição dele nos últimos 20 dias surpreendeu muito. Eduardo era defensor firme do governo. Nossa aliança [com o PMDB no Rio] era baseada na sustentação parlamentar do governo Dilma. O voto do Pedro Paulo é um voto do Paes. É uma traição à democracia. Goste ou não, é um governo eleito”, disse o Washington Quaquá, presidente do PT-RJ.

A tendência é que a sigla apoia a deputada Jandira Feghalli (PC do B-RJ), também pré-candidata. “Foi a liderança que mais se destacou nesse processo”, disse o presidente do PT-RJ.

O rompimento com o PMDB também põe em risco o mandato de uma das principais lideranças do PT na Câmara contra o impeachment.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Solidário, Fabiano Horta (PT), vai pedir exoneração do cargo e retoma seu mandato como deputado federal. Ele vai entrar no lugar de Wadih Damous (PT-RJ).

A nomeação de Horta foi um pedido do ex-presidente Lula a Paes, para que Wadih, advogado e ex-presidente da OAB-RJ, pudesse atuar em Brasília contra o impeachment.

“Vamos tentar achar outra solução que não seja o Fabiano. É importante o Wadih ter participado desse processo, mas também não podemos nos manter num governo desses”, disse Quaquá.

O PT havia mantido o apoio a Pedro Paulo mesmo após a divulgação das agressões contra a ex-mulher, Alexandra Marcondes. O caso provocou um desembarque de apoios ao peemedebista, o que não foi seguido pelos petistas.

Pedro Paulo é investigado pela Procuradoria-Geral da República pelo caso no STF (Supremo Tribunal Federal).

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir