Política

Protestos contra Temer devem ocorrer em 37 cidades nesta sexta

A Frente Brasil Popular, composta por entidades do movimento de esquerda e centrais sindicais, convocou manifestantes contrários ao presidente interino Michel Temer para ir às ruas nesta sexta-feira (10). Estão agendados protestos em São Paulo, Brasília, Rio e outras 34 cidades, sem contar atos fora do Brasil.

Em São Paulo, a manifestação será ao longo da avenida Paulista e o carro de som principal ficará em frente ao Masp (Museu de Arte de São Paulo). De acordo com Raimundo Bonfim, coordenador da CMP (Central de Movimentos Populares), que integra a frente, haverá um trio elétrico de 22 metros para comportar o palco maior, além de um palco para intervenções artísticas e outro de apoio à imprensa.

Serão instalados quatro telões de led e quatro caixas de som ao longo da Paulista, para fazer link com o caminhão principal. O ato contará ainda com duas ambulâncias e banheiros químicos.

A presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está confirmada no evento. A presidente afastada, Dilma Rousseff, estará em São Paulo, mas sua presença não está certa.

Este será o primeiro ato unificado da Frente Brasil Popular desde que Temer assumiu a presidência interinamente, há menos de um mês. De acordo com Bonfim, as entidades trabalham para realizar um protesto “de fôlego”.

Segundo ele, as gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado revelam articulação de caciques do PMDB para os trabalhos da Operação Lava Jato.

“Os áudios revelam aquilo que já vinhamos denunciando antes do impeachment: o objetivo de retirar a presidente Dilma não era combater a corrupção”, disse.

Bonfim rebate os argumentos pró-impeachment de que Dilma não tinha estabilidade para governar, lembrando que já houve duas trocas de ministro realizadas por Temer -Torquato Jardim assumiu a Transparência no lugar de Fabiano Silveira e Dyogo Oliveira entrou no Planejamento no lugar de Romero Jucá. Ele acrescenta que três “estão na corda bamba”, referindo-se aos ministros Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Fábio Osório (Advocacia-Geral da União) e à secretária Fátima Pelaes (Políticas para as Mulheres).

“Nossa mobilização de rua é no sentido de pressionar o Senado e impedir que o impeachment da presidente Dilma seja aprovado”, concluiu.

Segundo ele, a estrutura oferecida pela Secretaria de Segurança Pública será semelhante à dos protestos dia 18 de março, quando a Frente Brasil Popular fez outro grande ato na av. Paulista.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir