Economia

Projetos da Codam fazem da ZFM porta de entrada para investidores em potencial, diz Thomaz Nogueira

Na 262ª reunião da Codam, Nogueira disse que o modelo ZFM permanece competitiva e atrativa - foto: Rosianne Couto

Na 262ª reunião da Codam, Nogueira disse que ZFM permanece competitiva e atrativa – foto: Rosianne Couto

“Em tempos de crise econômica, a Zona Franca de Manaus (ZFM) é a melhor porta de entrada ao mercado brasileiro para investidores”. A afirmação foi feita pelo titular da Secretaria de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Seplancti), Thomaz Nogueira, durante a 262ª reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam).

O evento aconteceu na manhã desta quarta-feira (29) na sede da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), localizada no Centro de Manaus.

Na reunião, Nogueira apresentou 40 projetos de produção industrial. Destes, 29 são de bens intermediários e o restante de bens finais. Ele afirma que esse quantitativo é “muito expressivo” por se dar em um “momento de maior agonia da crise financeira que o Brasil atravessa”.

“Isso significa que o modelo ZFM permanece competitivo e atrativo. Nós estamos vivendo uma situação conjuntural, mas quem tem analisado friamente percebe que nós vamos retomar o crescimento”, declarou ao anunciar que mais de 1.800 vagas de trabalho serão colocadas no mercado de trabalho no período de até três anos com o desenvolvimento dos projetos.
Para a produção industrial, serão investidos mais de R$ 905 milhões, diferentemente de 2015 quando, neste mesmo período, o investimento foi de R$ 597 milhões.

Ainda de acordo com o titular da Seplancti, há seguridade quanto à regularidade para aprovação destes projetos junto ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), mesmo com a reunião do Conselho de Administração da Superintendência (CAS) ocorrendo apenas no próximo dia 15 de julho.

“Vamos perder estes dias, mas, em contrapartida, outros projetos que estão fora desta pauta serão incluídos. O ministro (Marcos Pereira) assegurou que a mudança aconteceu em virtude da agenda que deve cumprir”, declarou Rebeca Garcia, titular da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), também presente no Codam.

Rebeca também trouxe a discussão sobre as importações no país enquanto citava que tem levado à Brasília assuntos que tratam sobre a fabricação de lentes de óculos. A concessão foi indeferida para que este Processo Produtivo Básico (PPB) fosse realizado na ZFM.

O PPB consiste de etapas fabris mínimas necessárias que as empresas deverão cumprir para fabricar determinado produto, como uma das contrapartidas aos benefícios fiscais estabelecidos pela lei n.º 8.387, de 30 de dezembro de 1991.

“Como você pode dizer que uma lente de óculos de sol não pode ser produzida na ZFM, se ela sequer é produzida no Brasil? Isso é pra beneficiar importadoras. Nada contra a importação, mas isso não está gerando emprego no país e nós queremos gerar. Diretamente, nós estaremos gerando emprego e renda para o país”, declarou a superintendente, ressaltando que, hoje, há um indicativo de que os pareceres serão revertidos.

ZFM e a Copa

Questionado se a proximidade das Olimpíadas deve aquecer as vendas de televisores no estado, Nogueira titubeou e afirmou torcer para que exista tal aquecimento. “A Olimpíada é uma realidade e eu esperava que isso pudesse aquecer o mercado. A incerteza da crise econômica ainda é muito forte”, disse.
Todos os projetos inclusos na 262ª reunião podem ser conferidos no site da Seplancti.

Por Rosianne Couto

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir