País

Professores do PR decidem continuar greve após assembleia em estádio

Em assembleia realizada na tarde desta terça (5), os professores estaduais do Paraná decidiram permanecer em greve por tempo indeterminado.

A categoria está paralisada há oito dias, e foi a principal mobilizadora dos protestos contra o governo de Beto Richa (PSDB), em que uma ação policial deixou quase 200 feridos na última quarta-feira (29).

Eles protestavam contra uma proposta do governo que modifica a previdência dos servidores públicos estaduais. O projeto foi aprovado pela Assembleia Legislativa na última quarta.
Agora, o motivo principal da greve é em relação à data-base da categoria, que venceu em maio.

Em reunião na manhã desta terça (5), a Secretaria de Educação, segundo o sindicato, propôs pagar a correção pela inflação em duas parcelas (cerca de 8,4%), ou 5% em cota única ou também em duas parcelas.

“Nós rejeitamos as propostas”, afirmou o secretário de comunicação da APP Sindicato, Luiz Fernando Rodrigues. “Queremos que o governo cumpra a lei e pague a correção da inflação em parcela única.”

Cerca de 8.000 professores, segundo o sindicato, compareceram à assembleia, realizada no estádio Durival de Britto e Silva, em Curitiba.

“A greve continua” e “Fora Beto Richa”, gritavam os professores nas arquibancadas.
O governador e o secretário de Segurança do Paraná, Fernando Francischini, foram vaiados ao serem mencionados em discurso do presidente do sindicato, Hermes Leão.

Representantes de movimentos sociais e sindicatos de outros Estados do país também acompanhavam a assembleia.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir