País

Professores de SP decidem manter greve em nova assembleia

Nesta sexta-feira (8), os professores da rede estadual decidiram em assembleia, realizada no vão-livre do Masp, no centro de São Paulo, manter a greve que já dura 54 dias.

Os manifestantes seguem agora em passeata pela marginal Pinheiros. O trajeto prevê passar pela avenida Rebouças.

Segundo o sindicato dos professores (Apeoesp), o protesto reúne cerca de 50 mil pessoas. A estimativa da Policia Militar, entretanto, era de apenas 1.000 docentes estavam no local.

Os grevistas pedem reajuste salarial de 75,33%. É o percentual que o sindicato diz ser necessário para equiparar o salário do docente ao dos demais profissionais com formação semelhante.

O governo afirma não ser o momento de discutir reajuste. Nesta semana, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que, quando o último aumento completar um ano, em julho, discutirá novo reajuste.

“Se o governo puder, quer dar o máximo. Agora, não tem como dar reajuste de oito em oito meses.” Para ele, a greve “não tem adesão”.

As partes apresentam dados diferentes sobre a adesão à greve. O governo estadual diz que não passa de 5%. O sindicato fala em 50%.

Levantamento da reportagem com as 15 maiores escolas da capital nesta semana encontrou adesão de 15% dos docentes.

Na quinta-feira (7), a reunião de conciliação entre o governo estadual e Apeoesp terminou sem acordo.

A reunião foi convocada pelo Tribunal de Justiça, a pedido da Apeoesp. Como não houve acordo, agora será aberto processo judicial para o caso.

A Justiça determinou, liminarmente, que o governo não desconte os dias parados dos grevistas. O entendimento é que a Constituição protege o direito à greve.

O governo do Estado ainda pode recorrer da decisão.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir