Sem categoria

Processo envolvendo turista inglesa terá nova audiência em agosto

A turista inglesa Gillian Metcalf, 54, morreu vítima de um acidente entre duas lanchas, por volta das 8h30, do dia 5 de setembro de 2013, no Rio Negro - foto: reprodução

A turista inglesa Gillian Metcalf, 54, morreu vítima de um acidente entre duas lanchas, por volta das 8h30, do dia 5 de setembro de 2013, no Rio Negro – foto: reprodução

Três testemunhas, que deveriam ser ouvidas hoje mas não compareceram à 9ª Vara Criminal, devem participar da próxima audiência, programada para o dia 3 de agosto, às 10h, no mesmo local.

A Audiência de Instrução do processo envolvendo a turista inglesa Gillian Metcalf começou na manhã desta quarta-feira (13), no Fórum Henoch Reis, em Manaus, e durou quase três horas. Quatro testemunhas de acusação foram ouvidas. Outras três, que também deveriam ser ouvidas hoje mas não compareceram à 9ª Vara Criminal, devem participar da próxima audiência, programada para o dia 3 de agosto, às 10h, no mesmo local.

Gillian morreu aos 54 anos, vítima de um acidente de barco no Rio Negro, no dia 5 de setembro de 2013, próximo a Manaus. Ela estava ao lado do marido, Charles Metcalf, e das filhas Natasha e Alice Metcalf. Tanto Charles quanto Alice depuseram como testemunhas de acusação na audiência de hoje, além de um guia turístico e um perito da Capitania dos Portos. Os réus Mailson Roberto Gomes e Raimundo Nonato Lima de Oliveira também estiveram presentes e ouviram as testemunhas.

Os ausentes foram um guia turístico que estava a bordo, um perito da Marinha que trabalhou na elaboração do laudo técnico do acidente e uma testemunha que mora no Careiro e estava a bordo da embarcação.

“A família foi avisada que não precisa voltar. Caso não venha, os vídeos das audiências serão disponibilizados para que compreendam o andamento”, avisou a advogada da família inglesa, Jenny Kennedy. “Ainda é cedo para dizer se voltaremos na próxima audiência”, completou o viúvo Charles, que mora em Kent, na Inglaterra, e estava de férias com a família em Manaus quando aconteceu o acidente.

O juiz Henrique Veiga Lima, titular da 9ª Vara Criminal, explicou que, pelo Processo Penal brasileiro, os acusados são os últimos a serem ouvidos. Após as testemunhas de acusação, serão ouvidas as de defesa. Somente depois é que os réus poderão falar.

“Por esta razão é que não terminamos hoje. As três testemunhas de acusação ausentes são reputadas como de extrema importância pelo Ministério Público. Depois ouviremos as testemunhas de defesa. Faz parte do rito e tivemos que desmembrar”, explicou o magistrado.

Henrique Veiga Lima assegurou também que o processo está tramitando com a celeridade possível. “Houve um laudo que precisava ser feito e demandou um certo tempo para ser concluído. Tão logo chegou, a gente designou esta audiência. Não podemos acusar a Justiça de ser morosa, apenas ela está cumprindo um trâmite para que os acusados tenham um amplo direito de defesa”, ressaltou.

Com informações da assessoria de comunicação

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir