Política

Processo contra José Melo retorna à pauta em janeiro

José Melo e Henrique Oliveira são acusados pelo segundo colocado nas eleições, em 2014, por conduta vedada durante o processo eleitoral – foto: divulgação

José Melo e Henrique Oliveira são acusados pelo segundo colocado nas eleições, em 2014, por conduta vedada durante o processo eleitoral – foto: divulgação

O juiz Márcio Rys Meirelles, que pediu vista, na última quarta-feira (16), da representação na qual cinco dos seis membros da corte votaram pela perda de mandato do governador José Melo (Pros) e do vice-governador Henrique Oliveira (SDD), disse que não tem dúvidas quanto às provas apresentadas na ação. Ele informou que pediu vistas da ação para analisar com cautela toda documentação e que trará para julgamento em janeiro de 2016.

“A questão não está na falta de esclarecimento dos autos, mas, sim, no volume do processo, por isso solicitei o pedido de vista. Em casos de processos complexos, se exige uma análise mais apurada. Como eu citei durante o julgamento, são oito volumes, é preciso julgar com calma”, disse o juiz.

Segundo ele, o processo deve retornar à pauta de julgamento da Justiça Eleitoral no Amazonas em janeiro de 2016. Na última quarta-feira, após quase seis horas de julgamento, cinco dos seis membros aptos a votar no Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) votaram a favor da anulação da coligação encabeçada pelo governador José Melo.

Ele é acusado pela coligação Renovação e Experiência, comandada nas eleições, em 2014, pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB), de conduta vedada durante o processo eleitoral.

Caso o processo seja julgado procedente, a decisão causará uma nova disputa na Justiça Eleitoral. Isto porque os advogados da coligação Renovação e Experiência defendem que seja empossado o segundo lugar na disputa.

“Por lei, em caso de anulação de mandado, o segundo colocado assume o lugar do atual governante. Certamente, isso correrá com o senador Eduardo Braga, se o Melo for cassado. Esperamos que a justiça seja feita”, disse Daniel Nogueira, advogado de Braga.

Mas, segundo o terceiro parágrafo acrescido pelo quarto artigo da lei nº 13.165/15, “a decisão da Justiça Eleitoral que importe o indeferimento do registro, a cassação do diploma ou a perda do mandato de candidato eleito em pleito majoritário, acarreta, após o trânsito em julgado, a realização de novas eleições, independentemente do número de votos anulados”.

Vice-governador defende mandato

Ontem, durante a reunião do Conselho de Administração da Suframa (CAS), o vice-governador do Estado, Henrique Oliveira (SDD), saiu em defesa da manutenção do mandato dele e do governador José Melo.

Em entrevista a um portal de notíciais local, Henrique Oliveira disse que o TRE-AM se equivocou na decisão preliminar, referindo-se aos votos proferidos pela cassação do mandato.

O vice-governador ressaltou a composição da corte do tribunal e disse confiar na Justiça Eleitoral. “O TRE é formado por belos juristas, pessoas livres de qualquer tipo de avaliação política, e avaliaram que as provas, que eram totalmente nulas, provas de um processo montado, forjado por quem perdeu a eleição e esperneia, achando que pode ganhar no tapetão”, disse.

O vice-governador disse que ele e Melo recorrerão até o Supremo Tribunal Federal (STF) pela manutenção do mandato, se for necessário.

“O que a gente não pode é se abalar. Precisa ser valente, ser forte para continuar trabalhando num momento tão difícil que o Brasil e o Amazonas atravessam”, disse.

Por Bruna Souza

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir