Sem categoria

Privatização do rio Madeira volta a ser discutida na CMM

Segundo o vereador, grandes empresas de navegação cobrarão  uma taxa para navegar pelo rio Madeira - foto: Robervaldo Rocha/CMM

Segundo o vereador, grandes empresas de navegação cobrarão uma taxa para navegar pelo rio Madeira – foto: Robervaldo Rocha/CMM

As discussões em torno da privatização do rio Madeira foi novamente um dos temas de debate na Câmara Municipal de Manaus (CMM), durante o Pequeno Expediente desta segunda-feira (8).

O vereador Professor Samuel (PP) foi um dos que manifestaram indignação ao apresentar Moção de Repúdio ao representante do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), Everaldo Oliveira, que declarou, em reunião na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), que o governo federal vai privatizar o rio Madeira.

De acordo com Professor Samuel, Everton Oliveira afirmou que qualquer cobrança será para as grandes empresas de navegação, mas se houver cobrança para os ribeirinhos, será uma taxa de valor irrisório.

“Isso é uma vergonha! O rio Madeira nos trouxe desenvolvimento para Manaus, além disso, nessa intenção vivem em média 143 mil habitantes. São pessoas carentes que vivem da exploração nativa e que precisam de seus direitos assegurados”, defendeu Professor Samuel.

O vereador Plínio Valério (PSDB), que já debateu o assunto em alguns pronunciamentos na tribuna da Casa Legislativa, e também apresentou Moção de Repúdio contra a privatização do rio, outra vez criticou a postura do governo federal, ao questionar de forma será feita a privatização do rio Madeira.

“Chega de esmola, já basta a Zona Franca de Manaus (ZFM), agora o governo federal quer privatizar o nosso rio. Precisamos discutir esse tema em nível regional. Nós temos aqui o que o mundo precisa — água em abundância, alimentos, fauna e flora — não precisamos ficar nos humilhando com pires na mão. Jamais um rio deve ser privatizado. Privatizar o rio Madeira é um crime”, criticou Valério.

 

Com informações da assessoria.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir