Esportes

Princesa perde em casa e precisa vencer Chapecoense em Santa Catarina pela Copa do Brasil

Volante Josimar comemorando o gol que deu a vitória ao Verdão do Oeste no último minuto da partida realizada no Gilbertão, em Manacapuru - foto: Márcio Melo

Volante Josimar comemorando o gol que deu a vitória ao Verdão do Oeste no último minuto da partida realizada no Gilbertão, em Manacapuru – foto: Márcio Melo

O reencontro do Princesa do Solimões com o estádio Gilbertão não foi dos melhores. Jogando diante do seu torcedor, o time de Manacapuru bem que tentou, até começou bem a partida, quando o meia Michell Parintins acertou um chutaço de fora da área, mas viu o zagueiro da Chapecoense Rafael Dias deixar tudo igual no final do primeiro tempo e o volante Josimar virar o jogo nos últimos minutos da etapa complementar.

A derrota por um gol de diferença forçou a realização do jogo da volta, que será disputado na próxima quinta-feira (14), às 20h30 (de Manaus), na Arena Condá, em Chapecó (SC). Para se classificar, o Princesa terá de vencer por dois gols de diferença. Triunfo pela margem de um gol só qualifica os amazonenses a partir de 3 a 2. Se o placar do primeiro jogo se repetir, a definição do classificado para a segunda fase da Copa do Brasil sairá na cobrança dos pênaltis.

O jogo

Logo no primeiro minuto de jogo, o Princesa deu um susto na Chapecoense. Em bobeada da defesa catarinense, Edinho Canutama avançou pela direita, foi até a linha de fundo e cruzou para trás. Michell Parintins desviou, mas a zaga afastou.

Sem se expor dentro de campo, o Princesa só saía na boa. Aos seis minutos, em uma jogada de contra-ataque, a defesa da Chape botou a bola para lateral. Emerson cobrou rapidamente para Michell Parintins, que deixou a bola quicar no gramado e emendou um lindo chute. A bola encobriu o arqueiro catarinense e morreu no fundo da rede.

O gol de tranquilidade à equipe alvirrubra, que passou a esperar a Chapecoense no campo de defesa. Os catarinenses, por sua vez, sofriam com o forte calor e passaram a ameaçar nas bolas paradas, já que não conseguia boas infiltrações na defesa do Princesa. Depois de uma sequência interminável de escanteios, Rafael Dias aproveitou sobra de bola na marca do pênalti e empatou a partida aos 47 minutos do primeiro tempo.

Assim como no início da partida, o segundo tempo começou com estudo por ambos os lados. Zé Marco resolveu apostar na velocidade de Lacraia, que entrou no lugar de Wander logo aos seis minutos de jogo. Aos nove, ele fez boa jogada pela direita e colocou Michell Parintis na cara do gol. Sem ângulo, o meia chutou fraco, em cima de Marcelo Boeck.

Controlando o jogo, o Princesa não corria grandes riscos, a não ser nas jogadas de bola parada, principal arma da Chapecoense. Aos 25 minutos, num lindo contra-ataque, Michell Parintins lançou para Edinho Canutama na esquerda. Ele invadiu a área, puxou para a perna direita e chutou próximo ao poste esquerdo do arqueiro catarinense.

Quando o jogo caminhava para um empate, a Chapecoense tirou um coelho da cartola. O volante Josimar aproveitou vacilo de marcação do Princesa no meio de campo, ajeitou para a perna de direita e, de fora da área, mandou um chutaço, sem chance de defesa para Rascifran.

Por André Tobias

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir