Esportes

Primeiro treino de Tite tem esboço de esquema tático e defesa de bola parada

Técnico Tite pela primeira vez à frente da seleção brasileira - foto: Lucas Figueiredo/CBF

Técnico Tite pela primeira vez à frente da seleção brasileira – foto: Lucas Figueiredo/CBF

Foi apenas o primeiro treino à frente da seleção brasileira, mas o técnico Tite já tratou de implantar algumas de suas preferências e diretrizes táticas: o esquema 4-1-4-1, com triangulações, velocidade pelas pontas e infiltrações, e uma linha defensiva consistente. Os trabalhos ocorreram no final da tarde desta segunda-feira (29), no estádio Casa Blanca, em Quito, no Equador.

A atividade do dia que durou mais tempo consistiu no confronto entre duas equipes de cinco jogadores, além de um goleiro. Um time composto por Daniel Alves, Geromel, Gil, Marcelo e um atleta sub-20 tentava se defender de um ataque composto por outro jogador sub-20, Renato Augusto, Paulinho, Neymar, Gabriel Barbosa e Taison.

Estruturado com uma linha de quatro e Gabriel centralizado, o ataque ouviu Tite vibrar com triangulações de Neymar e Taison pelas pontas e infiltrações de Paulinho e Renato Augusto. Frases clássicas do técnico, como “abaixa o centro de gravidade”, foram ouvidas -“defender abaixando a bunda”, nas palavras do treinador.

Desde a chegada da seleção brasileira em Quito, a comissão técnica demonstrava preocupação com a diferença na velocidade de bola devido à altitude da cidade equatoriana. Em seu primeiro treino à frente do grupo, Tite também propôs atividades de familiarização com a rapidez do jogo na altitude de 2.850 m acima do nível do mar.

No estádio da LDU, todos os convocados treinaram, exceto o zagueiro Marquinhos, do PSG, que ainda não havia desembarcado. O atacante Gabriel Jesus, o meia Lucas Lima e o volante Rafael Carioca, que jogaram por suas equipes no Brasileiro nos últimos dias, fizeram treino regenerativo no vestiário e depois apenas trotaram no gramado.

No início do treino, os 19 jogadores fizeram uma roda de “bobinho” no centro do gramado. Depois disso, Tite chamou todos e fez uma reunião de cerca de cinco minutos, que foi seguida por uma atividade de troca de passes em que jogadores divididos em três times têm de tocar a bola sem dominá-la.

Outra atividade que se alongou teve ênfase na proteção de bolas paradas. Taffarel e Sylvinho, assistentes de Tite, cruzaram dezenas de vezes para que os zagueiros, laterais e volantes afastassem a bola. No gol, Alisson, Weverton e Marcelo Grohe revezaram.

O preparador físico Fábio Mahseredjian detalhou nesta segunda a preocupação com a velocidade da bola.

“Os times que vêm para cá sempre sofrem gol de bola parada. Quanto mais você sobe, menor é a densidade do ar. Assim, a bola é muito mais rápida”, disse, lembrando da derrota por 4 a 2 do Fluminense em Quito para a LDU, em 2008, quando a equipe carioca sofreu três gols após cobranças de falta ou escanteio.

Brasil e Equador se enfrentarão nesta quinta-feira (1º) pela sétima rodada das eliminatórias. O time da casa está na segunda colocação, com 13 pontos, enquanto o Brasil ocupa a sexta posição, com nove.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir