Mundo

Primeiro transgênero na Casa Branca será ponte com a comunidade LGBT

Ela foi contratada em 2015 como diretora de recrutamento do escritório pessoal do presidente. - Foto: Divulgação

Ela foi contratada em 2015 como diretora de recrutamento do escritório pessoal do presidente. – Foto: Divulgação

Raffi Freedman-Gurspan será o primeiro transgênero a ocupar o cargo de comunicação entre a Casa Branca e a comunidade LGBT, segundo o site de notícias e entretenimento BuzzFeed.

“Raffi é uma ótima escolha”, disse Mara Keisling, diretora executiva do Centro Nacional para Igualdade dos Transgêneros.
“O presidente Obama diz querer que sua administração se assemelhe a América, e e eles se mobilizaram para incluir os transgêneros americanos. As qualidades e a personalidade de Raffi fazem dela a escolha ideal para esse importante cargo”, completou.

Freedman-Gurspan foi a primeira mulher transgênero a ocupar um cargo na Casa Branca. Ela foi contratada em 2015 como diretora de recrutamento do escritório pessoal do presidente.

Com seu novo trabalho -que além do cargo anterior também acumula a função de diretora associada de engajamento público- ela se torna ponto chave no contato entre os grupos LGBT e Washington. Marsha Scott, heterossexual e primeira a ocupar o cargo, foi nomeada em 1996 na gestão Clinton. Depois, homossexuais (gays e lésbicas) trabalharam na função nos governos de Clinton e Obama.

A última na função foi Aditi Hardikar, que deixou o posto em janeiro para se juntar à secretária de Estado Hillary Clinton em sua campanha presidencial. Antes de trabalhar na Casa Branca, Raffi era consultora política no Centro Nacional para Igualdade dos Transgêneros e diretora legislativa na Câmara de Representantes de Massachusetts.

A administração de Obama tem sido um marco na defesa dos direitos dos transgêneros, incluindo interpretação de leis civis, já existentes, visando a proteção dos direitos dos trabalhadores e estudantes transgêneros.

“Nós acreditamos que a decisão da Casa Branca em reconhecer a liderança de Raffi, assim como a importância de ter uma liderança transgênera desempenhando importante papel para a comunidade, é inovadora”, disse JoDee Winterhof, vice-presidente sênior de políticas e assuntos políticos da ONG LGBT Human Rights Campaign (Campanha de Direitos Humanos, em português).

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir