País

Presidente eleito argentino visita Fiesp e promete impulsionar Mercosul

O presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri, foi recebido de modo festivo em almoço nesta sexta-feira (4), na sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), em São Paulo. Após um discurso elogioso do presidente da entidade, Paulo Skaf, Macri discursou para cerca de 200 empresários brasileiros e argentinos.


“Em meu país há hoje muita alegria, mas imaginem quando vocês forem para lá? Vai ser uma festa, com a alegria que os brasileiros sempre levam e que, muitas vezes, se complementa com nossa melancolia”, disse, convidando os presentes a irem realizar negócios em seu país.

Em entrevista a jornalistas após o evento, Macri acrescentou que, no dia 11 de dezembro, logo após tomar posse no dia anterior, sua ideia é “eliminar impostos a exportações e eliminar restrições de exportações de produtos agroindustriais.” Macri é um crítico da política protecionista da atual presidente, Cristina Kirchner.

Sobre o Mercosul, Macri disse aos empresários que o bloco “precisa ser uma realidade. Foi uma grande ideia há muitos anos, de Alfonsín e de Sarney, mas depois fomos nos esquivando. É preciso colocar metas, prazos e tempos.”

Acrescentou que o bloco precisa se “desideologizar”, e avançar, entre outras coisas, com o convênio com a União Europeia, que diz ter sido um dos tópicos de sua conversa com a presidente Dilma Rousseff, em encontro realizado na manhã desta sexta, em Brasília.

Acompanhado de Marcos Peña, que será seu chefe de gabinete, e de Susana Malcorra, que assumirá como chanceler, Macri chegou à capital paulista em voo privado, vindo de Brasília.

De Guarulhos, voou de helicóptero à avenida Paulista, desceu no heliporto de edifício próximo ao da Fiesp e caminhou uma quadra, sendo abraçado por argentinos que pediam selfies com o novo presidente, até a porta da entidade. Ali, Skaf o recebeu, com um tapete azul estendido sobre a calçada.

FUTEBOL

O encontro, amistoso, foi recheado também de referências futebolísticas.

Macri disse que São Paulo lhe trazia boas lembranças por conta das vitórias do Boca Juniors, time do qual foi presidente, aqui contra Corinthians e Palmeiras. Afirmou que quer ser para a Argentina como um “canchero” -funcionário que prepara o campo de futebol antes das partidas.

“Minha função é cortar o gramado, pintar as listras, limpar os arcos do gol, porque quem tem de crescer e se desenvolver são os jogadores, ou seja, os cidadãos do meu país.”

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, elogiou Macri por ter uma “visão liberal, de empresário e de alguém que crê que o governo não pode atrapalhar a vida das pessoas”.

Acrescentou ainda que acredita que a eleição de Macri, que encerrou 12 anos de gestão kirchnerista “é um sinal de modernidade para nosso continente e fará bem para os países vizinhos”.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir