Mundo

Presidente de Portugal defende na ONU política para refugiados

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa,  falará hoje (20) na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, sobre refugiados e alterações climáticas. O pronunciamento –  no debate anual entre chefes de Estado e de Governo dos 193 estados-membros – está previsto para às 16h30 (horário local).

O presidente português afirmou ontem (19), em entrevista à rádio ONU, que está “muito feliz por sentir que há unanimidade na sociedade portuguesa, da esquerda à direita, quanto ao acolhimento de refugiados em Portugal. Em todo o país não há resistência, nem política, nem doutrinária, havendo, sim, um consenso em relação à vinda de refugiados para Portugal”.

Rebelo de Sousa disse ainda que Portugal defende a necessidade de intervir nos países de origem dos refugiados e de acolher primeiro e integrar plenamente depois, sendo que Portugal faz isso “como quem respira”.

A 71ª sessão da Assembleia Geral da ONU, que se estende até a próxima quinta-feira (22), acontece a um mês da data prevista para o fim do processo de escolha do novo secretário-geral da ONU, cargo ao qual o antigo primeiro-ministro português, Antonio Guterres, é um dos candidatos. Para Rebelo de Sousa, a candidatura de Guterres representa a criação de pontes e diálogo entre os países.

Declaração de Nova York

Líderes de todo o mundo estão reunidos na Assembleia Geral da ONU para adotar uma nova declaração que expresse vontade política de proteger os direitos de refugiados e migrantes, salvar vidas e compartilhar responsabilidades diante dos grandes movimentos de pessoas em escala global.

Ao adotar a Declaração de Nova York, os estados-membros se comprometerão a iniciar negociações que levem à adoção de um pacto global para uma migração segura, ordenada e regular em 2018. O documento prevê ainda o estabelecimento de diretrizes sobre o tratamento de migrantes em situação de vulnerabilidade, assim como uma maior corresponsabilidade no acolhimento aos refugiados do mundo, adotando um pacto global.

Por Agência Brasil

Com informações da Agência Lusa

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir