Política

Presidente da Mitsubishi e nove lobistas são condenados na Zelotes

O lobista Alexandre Paes dos Santos em depoimento à CPI do Carf, no Senado - foto: divulgação

O lobista Alexandre Paes dos Santos em depoimento à CPI do Carf, no Senado – foto: divulgação

A 10ª Vara Federal de Brasília condenou o presidente da Mitsubishi no Brasil, seu antecessor no comando da montadora e nove lobistas a penas de prisão por participação no esquema de compra de medidas provisórias do governo federal, investigado pela Operação Zelotes.

A sentença proferida pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira identificou a prática dos crimes de corrupção, associação criminosa, extorsão e lavagem de dinheiro. Como se trata de decisão em primeira instância, cabem recursos tanto às defesas quanto ao Ministério Público.

Durante a tramitação da ação penal na Justiça Federal em Brasília, todos os réus negaram as acusações.

O atual mandatário da Mitsubishi, Robert de Macedo Rittcher, e o ex-presidente da montadora Paulo Arantes Ferraz foram condenados a quatro anos e dois meses de reclusão por corrupção ativa e lavagem.

Ferraz é descrito pelo magistrado como o “principal articulador da associação criminosa”, uma vez que abriu a frente de negociações com alguns dos principais investigados.

A Zelotes mirou num esquema de pagamento de propina a servidores para aprovação de medidas provisórias que concederam benefícios fiscais à indústria automotiva. As montadoras contrataram lobistas para atuarem junto ao poder público, oferecendo suborno para que os pleitos das empresas fossem contemplados nas MPs.

Considerado o principal lobista do grupo, Mauro Marcondes Machado foi enquadrado nos crimes de associação criminosa, corrupção ativa e lavagem de dinheiro e condenado a 11 anos de dois meses de prisão.

“Marcondes foi o principal articulador da quadrilha, tendo cobrado R$ 16 milhões parcelados de cada uma das empresas Caoa e MMC (Mitsubishi) almejando a edição de uma Medida Provisória no Executivo[…]”, afirma o juiz.

A mulher dele, Cristina Mautoni, que trabalhava com o marido, cumprirá seis anos e cinco meses, inicialmente, em regime semi-aberto. Ela era responsável pela parte administrativa dos negócios do marido.

Outros dois expoentes entre os lobistas investigados, José Ricardo da Silva e Alexandre Paes dos Santos, conhecido como APS, terão de cumprir penas de 11 anos e de nove anos e dois meses de reclusão, respectivamente.

Em dado momento, de acordo com a investigação, ambos passaram e atuar em conjunto com Marcondes.

A sentença de APS aponta as praticas de corrupção passiva e associação criminosa. José Ricardo, seu parceiro de atuação, foi enquadrado por corrupção, lavagem, associação criminosa e extorsão.

Ex-diretor de Comunicação do Senado e ligado ao ex-presidente José Sarney, o jornalista Fernando César Mesquita também figura na relação de condenados pela Justiça Federal em Brasília nesta quarta-feira.

“[…] como servidor público, recebeu dinheiro da associação criminosa para monitorar, interceder e acompanhar o trâmite da Medida Provisória, utilizando-se do seu cargo de Diretor”, detalha a sentença de Mesquita.

Ele terá de passar quatro anos e quatro meses em reclusão por associação criminosa.

Apontado com um dos lobistas mais ligados a Mauro Marcondes, com quem mantinha uma parceria, Francisco Mirto pegou três anos e dois meses de prisão, em regime aberto, por corrupção ativa e associação criminosa.

Já o lobista Eduardo Gonçalves Valadão foi condenado a 1 ano e seis meses, a serem cumpridos em regime aberto.

Apenas um dos réus foi absolvido de todas as acusações: o sócio da Mitsubishi Eduardo de Souza Ramos.

Desmembramento

O juiz determinou o desmembramento das ações envolvendo a ex-assessora da Casa Civil Lytha Spíndola e os filhos dela, os advogados Vladimir e Camilo Spíndola.

Ela é acusada de ter recebido R$ 2 milhões, por intermédio do escritório dos filhos, para atuar dentro do Palácio do Planalto para que a presidente Dilma Rousseff não vetasse um trecho da MP 512 de 2012, o que beneficiaria as montadoras.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir