Esportes

Presidente da Fifa adia decisão sobre aumento de times na Copa para 2017

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, anunciou nesta quinta-feira (13) que a decisão sobre um possível aumento de seleções e reformulação da Copa do Mundo foi adiada para 2017.

O dirigente avalia como possível a realização de um evento com 32, 40 ou 48 equipes no Mundial de 2026, com local ainda indefinido. Na visão dele, a qualidade do torneio será maior com mais participantes.

Após uma reunião com o conselho da Fifa realizada durante a semana, o dirigente tomou outras decisões no que diz respeito às futuras edições da Copa, em especial a partir da de 2022, no Qatar. As mais significativas são a extinção do Comitê Organizador Local, que deixará de ser gerido pelo país-sede e passará para o controle da entidade, e mudanças nas vendas de ingresso, que podem passar para responsabilidade da federação depois do Mundial da Rússia.

O plano é instaurar um modelo mais transparente de venda de ingressos, no qual a Fifa tenha maior controle. As federações locais também podem se vir a fazer parte do novo formato, a fim de aumentar a eficiência do processo de comercialização.

Veja outras decisões

•    Processo de escolha das sedes: O congresso da Fifa, não o conselho, será responsável pela decisão. Ainda está sob desenvolvimento um modelo transparente de campanhas, que deve ficar pronto para 2017. Outra meta é excluir os candidatos a sede que não tiverem os requisitos técnicos necessários para receber o evento.
Contratos comerciais: Decisões quanto a esse assunto serão tomadas pela administração, não conselho, da Fifa. A terceirização da venda de direitos a agências externas será analisada do ponto de vista de transparência – uma decisão deve ser tomada até 2017.

•    Salários e outras vantagens: Os principais dirigentes da Fifa terão seus salários reais e outros bônus e vantagens tornados públicos. Uma nova regra de compensação financeira e a redefinição dos benefícios aos membros do conselho da Fifa estão sob debates.

•    Gastos administrativos: Contratação de novos funcionários executivos, um novo comitê, a reformulação de outro e a contratação de uma empresa externa de auditoria são fatos consumados. Uma auditoria das contas da Fifa, adoção de medidas mais transparentes e revisões sistemáticas sobre conflitos de interesse dos membros da entidade estão em andamento.

•    Distribuição de verba para desenvolvimento do futebol: Foi implementado o programa “Fifa Forward”, que será a única ferramenta da entidade para distribuir dinheiro e investir no desenvolvimento do esporte. O objetivo é transparência e uma padronização de regras, ao contrário do que ocorria no passado, quando existiam dez programas diferentes com seis regulamentações distintas. A Fifa também terá mais mecanismos de controle sobre as federações associadas que receberem os fundos, assim como requerimentos mais rígidos para repassá-los.

•    Desenvolvimento do futebol: Maior preocupação com o futebol feminino com a criação da Divisão de Futebol Feminino, maior diversidade de gêneros e regionalidades nos comitês e na administração da Fifa e um investimento bilionário em projetos de desenvolvimento do futebol são atividades consideradas como completas por Infantino. Resta dar continuação às discussões e implementação do uso da tecnologia na arbitragem e esporte e estabelecer um projeto de legado do futebol chamado Fifa Legends Team, que visa a promoção da modalidade.

Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir