Eleições

Prefeituráveis de Manaus participam de debate da OAB-AM e Movimento Ficha Verde

Movimento Ficha Verde existe desde 2013, quando atuou pela primeira vez nos âmbitos políticos - foto: Ione Moreno

Movimento Ficha Verde existe desde 2013, quando atuou pela primeira vez nos âmbitos políticos – foto: Ione Moreno

Com o tema “Manaus dos meus sonhos”, a Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Amazonas (OAB-AM) em parceria com o Movimento Ficha Verde, realizou na noite dessa segunda-feira (26), um debate entre os candidatos a prefeito da capital, em que foram discutidos quais as propostas voltadas para o desenvolvimento sustentável, preservação ambiental e melhorias para o meio-ambiente. Dos nove prefeituráveis, estiveram presentes os candidatos José Ricardo (PT), Luiz Castro (Rede), Serafim Corrêa (PSB), o vice de Silas Câmara, coronel Amadeu Soares (PSC) e a vice do Professor Queiroz, Taly Nayandra (PCB). Os demais não foram e nem enviaram representantes.

O propósito do Movimento Ficha Verde é elaborar uma Carta-Compromisso voltada as questões ambientais e que seja cumprida pela nova administração municipal. Os temas conectados com a carta são os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), agenda lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para erradicar a pobreza extrema, combater a desigualdade e a injustiça, e conter as mudanças climáticas nos próximos 15 anos.

O debate foi moderado pelo engenheiro florestal e superintendente geral da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Virgílio Viana. Também estiveram à mesa, o coordenador de projetos do Programa Cidades Sustentáveis, Luiz Guilherme Gomes, que apoia e implementa o Movimento Ficha Verde.

“Temos a ambição de monitorar políticos, o que eles querem para plataforma ambiental. Buscamos melhoras ao meio ambiente, precisamos buscar retornos a sociedade”, reiterou Viana. “Surgimos em 2013, através do ‘Movimento Vem para Rua’, uma inquietude de pessoas que se preocupavam com o meio-ambiente”, frisou Luiz Guilherme Gomes.

Candidatos

Serafim Corrêa exaltou o Movimento e a iniciativa da OAB – também questionou projetos de sua gestão que não foram prosseguidos por seus sucessores. “O projeto é fundamental para nossa cidade, não existe política sem pensar no melhor para o meio ambiente. Precisamos conservar nossas nascentes e nossos igarapés. No meu ciclo em 2004 a 2008, foram contratados junto a Caixa Econômica Federal R$ 180 milhões, para tocar o Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim). Infelizmente passaram dois mandatos de dois prefeitos diferentes e não ligaram para isso”, disse o ex-prefeito de Manaus.

José Ricardo enfatizou seus projetos para a Prefeitura de Manaus e engradeceu a necessidade de se assinar carta-compromisso. “O meu mandato terá total compromisso com o Movimento. Para firmamos um projeto, nosso governo trabalhará com total transparência, pois até para desenvolver o meio ambiente é preciso ter honestidade no governo. Uma de nossas prioridades será investir em lavouras e agricultura aos nossos cidadãos, pois assim podemos desenvolver subsistência e força econômica”, reiterou.

Luiz Castro exaltou a riqueza turística de Manaus e exatificou a importância do Movimento para a sociedade manauara. “Temos um enorme potencial econômico e social- turístico, mas Manaus precisa se destacar como cidade de referência ambiental. Infelizmente, entendem nossa cidade como referência de bio-sistema e riqueza arquitetônica, mas meu governo vai priorizar desenvolver o meio-ambiente, o colocar como ferramenta de emprego e renda”, disse.

Vice de Silas, coronel Amadeu Soares destacou a importância da educação andar junta a todos os projetos de meio ambiente. “A intenção é debater soluções e não problemas. A carta é plenamente aplicável e quem vencer essa eleição terá que possuir um planejamento muito sério. Entretanto nossa sociedade não possui cultura de preservar, a ideia do nosso governo é trabalhar na juventude e na adolescência, por meio de trabalhos educacionais e comunitários”, disse.

A bióloga Taly Nayandra (PCB), representando o candidato do Psol, Professor Queiroz, lembrou os animais que atravessa extinção na Amazônia e questionou porque somente as áreas mais nobres da cidade possuem rede de esgoto tratado. “Acho extremamente importante debater políticas públicas em prol do meio ambiente. Precisamos conscientizar a todos e destacar a preservação e assim poder pensar em evoluir. Precisamos melhorar a rede de esgoto não somente dos ricos, mas também dos pobres”, disse.

Por João Paulo Oliveira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir