Sem categoria

Prefeito de Manaquiri vai ser investigado pela Justiça

Esta não é a primeira vez que o prefeito é envolvido em denúncias - foto: divulgação

Esta não é a primeira vez que o prefeito é envolvido em denúncias – foto: divulgação

Durante sessão de julgamentos na última terça-feira, o Tribunal de Justiça do Amazonas (Tjam) aceitou, por unanimidade, a denúncia do Ministério Público do Estado (MPE) contra o prefeito de Manaquiri (distante a 156 quilômetros de Manaus), Aguinaldo Martins Rodrigues (PRTB), mais conhecido como “Guina Pureza”, por apropriação indébita previdenciária, conforme parecer da relatora do processo, desembargadora Encarnação Salgado, pelo provimento da denúncia.

No despacho da Justiça não está especificado detalhes da possível irregularidade, consta apenas a oficialização protocolizar de aceitação das denúncias. A lista de problemas no município recebida pela Justiça, porém, é extensa. Estão relacionados 15 itens que afetam servidores e moradores da cidade.
Entre as questões está a falta de pagamento para o transporte escolar, falta de merenda escolar e atraso no pagamento dos servidores.

Esta não é a primeira vez que o prefeito é envolvido em denúncias. De acordo com um morador da cidade, que pediu anonimato, a situação no município é de calamidade. “A educação e a saúde é como se não existisse, professores com salários atrasados, não temos creche, pois a única que poderia existir nem foi concluída. Só um milagre, ” afirmou.

Até o início do mês de abril, as aulas ainda não haviam iniciadas, devido à implantação de escolas em tempo integral nas comunidades, sem que houvesse planejamento adequado.

Segundo outro morador do município, o assessor jurídico, Ney Magalhães, desde 2005 as dificuldades no município vêm se agravando. “Antes tínhamos uma fábrica de gelo em que os pescadores podiam comprar para armazenar o pescado e desenvolver a atividade”, recordou.

A reportagem tentou durante todo o dia de ontem contato com o prefeito Aguinaldo Martins, sem sucesso.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir