Economia

Preço do petróleo e instabilidade na China fazem dólar voltar a superar R$ 4

Queda de 10,1% na atividade de refino de petróleo ajudou a impactar o setor - foto: Arquivo EM TEMPO

Queda de 10,1% na atividade de refino de petróleo ajudou a impactar o setor – foto: Arquivo EM TEMPO

 

A queda no preço internacional do petróleo e a instabilidade na China fizeram a moeda norte-americana interromper uma sequência de três quedas e voltar a superar os R$ 4. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (15) vendido a R$ 4,046, com alta de R$ 0,048 (1,19%). A bolsa de valores voltou a cair para o menor nível em sete anos.

 

A divisa fechou no terceiro maior valor do ano, só perdendo para os últimos dias 5 e 11, quando encerrou acima de R$ 4,05. O dólar operou em alta durante toda a sessão. Na máxima do dia, por volta das 14h, encostou em R$ 4,06.

O dia também foi de tensão na bolsa. Um dia depois de subir e interromper uma sequência de seis quedas, o índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, voltou a cair. O indicador recuou 2,47% e fechou em 38.523 pontos, no menor nível desde março de 2009, no auge da crise provocada pelo colapso do crédito imobiliário nos Estados Unidos.

 

Novamente, as cotações do barril de petróleo e a desaceleração da economia chinesa influenciaram os mercados em todo o planeta. O preço do barril Brent, negociado em Londres, fechou em US$ 28,56, abaixo dos US$ 30 pela primeira vez desde 2003. Na China, a Bolsa de Xangai caiu mais de 3% e encerrou no menor nível em 13 meses. Apenas nesta semana, o índice despencou 9%.

 

A queda nas cotações do petróleo está relacionada à desaceleração da China. A segunda maior economia do planeta tem enfrentando uma redução no crescimento que diminui a demanda por commodities – bens primários com cotação internacional.

 

Isso afeta países como o Brasil, grande exportador de ferro e de soja para a China. As exportações mais baratas reduzem a entrada de dólares no país, empurrando para cima a cotação da moeda norte-americana.

 

Por Agencia Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir