Economia

Portabilidade de crédito consignado lidera queixas contra bancos, em abril

De um total de 2.935 queixas feitas no mês passado, 849 (29,8%) foram sobre esse motivo, conforme levantamento do Banco Central divulgado nesta sexta (15) – foto: divulgação/BC

De um total de 2.935 queixas feitas no mês passado, 849 (29,8%) foram sobre esse motivo, conforme levantamento do Banco Central divulgado nesta sexta (15) – foto: divulgação/BC

A recusa de promover a portabilidade de operações de crédito consignado foi o principal motivo de reclamações contra bancos registradas em abril junto ao Banco Central (BC).

De um total de 2.935 queixas feitas no mês passado, 849 (29,8%) foram sobre esse motivo. O Bradesco respondeu por 511 (60,1%) reclamações por recusa injustificada de portabilidade. Isso contribuiu para que o banco privado liderasse o ranking das instituições financeiras de grande porte com mais reclamações em abril.

O segundo maior motivo de reclamação no mês passado foi a ocorrência de irregularidades relativas à integridade, confiabilidade, segurança, ao sigilo ou a legitimidade das operações, com 438 queixas.

Na terceira posição, estava o débito em conta não autorizado pelo cliente, com 174 reclamações. A insatisfação com respostas às reclamações e a cobrança de tarifas por serviços não contratados ocuparam o quarto e o quinto lugar, respectivamente, com 121 e 108 queixas registradas no BC, em abril.

Além do Bradesco, encabeçam a lista de insatisfação o HSBC (com clientela superior a 2 milhões), em segundo lugar; a Caixa Econômica Federal, em terceiro; o Santander, em quarto e o Banco do Brasil, em quinto.

A posição dos bancos no ranking não é definida pela superioridade numérica de reclamações, mas por um índice que aponta o número de reclamações que a instituição recebeu no mês para cada 1 milhão de clientes.

De acordo com a norma do BC, as instituições reclamadas devem encaminhar resposta ao interessado em até dez dias úteis. Recebida a resposta, o BC verifica se há indício de descumprimento de dispositivos legais ou regulamentares cuja fiscalização seja de sua responsabilidade.

As reclamações com indícios de irregularidades não afastados pelos argumentos contidos na resposta do banco são utilizadas na formação do ranking. Além disso, segundo o BC, o descumprimento de normas e regulamentos sujeita a instituição financeira em questão às penalidades previstas na legislação, como advertência e multa.

“Altos padrões”

A Agência Brasil entrou em contato com a assessoria de imprensa do Bradesco e dos demais bancos que lideraram o ranking em abril. O Bradesco enviou nota afirmando que sua posição no ranking é “circunstancial” e reflete o ajuste de registros.

“A qualidade de atendimento aos clientes e usuários permanece sendo uma das referências de mercado”, destacou o banco, acrescentando que o treinamento contínuo aos colaboradores visando atendimento de qualidade é uma prioridade da organização.

A Caixa Econômica Federal disse em nota que valoriza as reclamações dos clientes e revisa permanentemente seus serviços e produtos. O HSBC disse que avalia todas as demandas dos clientes e segue altos padrões de qualidade para atendê-los. O Santander informou que trabalha continuamente na melhoria de seus processos.

O Banco do Brasil (BB) afirmou que em abril houve queda na quantidade de reclamações em relação ao mês anterior e ante o mesmo mês de 2014. Segundo o BB, a instituição tem mantido “tendência de queda nas reclamações procedentes no BC”.

Por Agência Brasil (ABr)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir