Política

Políticos fazem mistério sobre troca-troca partidário

Na Câmara Municipal de Manaus (CMM), por exemplo, cinco vereadores já dão como certa a mudança de partido, de olho na reeleição de seus respectivos mandatos - foto: divulgação

Na Câmara Municipal de Manaus (CMM), por exemplo, cinco vereadores já dão como certa a mudança de partido, de olho na reeleição de seus respectivos mandatos – foto: divulgação

A dois dias do término do prazo para que políticos com mandato troquem de partido se beneficiando da “janela partidária”, deputados e vereadores consultados pelo EM TEMPO afirmam que vão deixar essas decisões para a última hora. Desde o início da semana é forte a corrida nos bastidores na busca de alianças para que estes parlamentares se fortaleçam em suas novas legendas.

Na Câmara Municipal de Manaus (CMM), por exemplo, cinco vereadores já dão como certa a mudança de partido, de olho na reeleição de seus respectivos mandatos: Ednaílson Rozenha e Doutor Ewerton, ambos do PSDB; Glória Carrate (PSD), Hiram Nicolau (PSD) e Jairo da Vical (Pros). Entretanto, eles ainda não revelaram para quais partidos pretendem se filiar.

“Já adianto que não estou mais no PSD. Vou conversar hoje (ontem) com o prefeito Arthur Neto para definir para onde vou. Tenho que me filiar num partido que vai apoiar o prefeito pois sou da base aliada. Saí do PSD por motivos pessoais porque é um partido grande, que deve fechar um chapão e eu teria que ter no mínimo 8 mil votos para reeleger”, revelou Glória Carrate.

Na mesma situação está Jairo da Vical. Ele afirmou que somente vai definir para qual partido irá migrar após se reunir com o prefeito e com o governador José Melo (Pros). “Hoje, o problema dos parlamentares é a equação matemática da legenda e a coligação. Antes os partidos queriam um parlamentar que teve uma votação expressiva. Agora não. Atualmente, eu estou no Pros, mas, por exemplo, se eu quiser entrar no DEM, lá eles não querem porque dizem que eu tive muitos votos na última eleição e vou tomar uma vaga. Esse processo eleitoral está complicado”, analisou o vereador. Doutor Ewerton também já deixou o PSDB, mas afirmou que vai se filiar a um partido que seja base aliada de Arthur Neto.

O vice-presidente da Câmara, Hiram Nicolau, agora se mostra indeciso quanto a sair ou não do PSD. Nos bastidores, a informação é de que ele vá para o PRP, mas ele desconversou e disse que tem até sexta para decidir. Também nesta indefinição está Rozenha, que acena com a possibilidade de se filiar no PPL.

Portas fechadas

O líder do PV na Câmara, Everaldo Farias, adiantou que no Partido Verde as portas estão fechadas para os vereadores com mandato que pensavam em migrar para a legenda.

Ele revelou que a direção da sigla baixou uma resolução em que veta a entrada de parlamentares que querem concorrer nessa eleição e que tenham tido mais de 4 mil votos em eleições anteriores. “Essas prerrogativas foram definidas pela direção municipal do partido, por conta da nova legislação e da brecha que foi dada para que os parlamentares pudessem mudar de partido sem perder o mandato”.

Por Augusto Costa e Henderson Martins

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir