Política

Políticos explicam à PF dinheiro guardado e ganho de patrimônio

Deputados e senadores investigados na Operação Lava Jato tiveram que explicar à Polícia Federal sua decisão de guardar dinheiro em casa e atribuíram a evolução de seus patrimônios à ajuda de filhos e economias do salário que recebem da Câmara.

Os parlamentares prestaram depoimentos nos inquéritos derivados Lava Jato abertos no STF (Supremo Tribunal Federal), que estão sob relatoria do ministro Teori Zavascki.

O deputado federal Missionário José Olímpio (PP-SP), 59, estimou que consegue economizar metade do seu salário da Câmara, hoje em R$ 33 mil brutos. Ele obteve tanto sucesso nessa tarefa que declarou, nas eleições de 2014, possuir R$ 330 mil em espécie em sua própria residência. Ele disse que o valor é “oriundo de seus ganhos como deputado federal”.

O dinheiro representava um terço de todo o patrimônio declarado pelo deputado em 2014. Caso tivesse aplicado o dinheiro na poupança, teria recebido R$ 21 mil só em 2014. Missionário disse que “prefere manter este dinheiro consigo”. Ele disse que recebe outros R$ 3 mil mensais como pensão vitalícia referente ao mandato de vereador em Itu (SP).

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), 61, também teve que explicar à PF sua decisão de manter R$ 545 mil “em seu poder”, conforme declaração entregue à Justiça Eleitoral em 2010. O dinheiro guardado em casa representou cerca de 89% do total do patrimônio declarado pelo senador naquele ano. Só em 2010 o senador deixou de ganhar R$ 37 mil com sua decisão de guardar notas em casa.

Jucá respondeu que “tais recursos são decorrentes do patrimônio adquirido ao longo dos anos e se encontram devidamente declarados junto à Receita”. Disse também que o valor decorre “de seu salário e também de bens vendidos ao longo dos anos”. Ao explicar por que mantinha os valores em espécie, o senador falou da “necessidade de ter um dinheiro disponível e também em função das disputas políticas existentes em seu Estado” -o depoimento não esclarece qual a relação entre os dois fatos.

Jucá disse que “eventualmente recebe doações em dinheiro procedentes” de seus filhos, “ambos empresários”. Segundo ele, “tais doações, quando realizadas, são devidamente informadas à Receita Federal”.

O senador Ciro Nogueira (PP-PI), 47, declarou em 2010 que mantinha R$ 210 mil em espécie e que o dinheiro “decorre de suas economias pessoais, oriundo de seu subsídio como parlamentar e também da participação nos ganhos das sociedades” que integra. Indagado sobre o motivo pelo qual guardava o dinheiro, deixando de obter ganhos no sistema financeiro, o senador disse que “possui diversas residências e sempre mantém dinheiro em espécie nas mesmas”.

Segundo a PF relatou durante o depoimento do senador Gladson Cameli (PP-AC), 37, o parlamentar teve “um incremento patrimonial em mais de cinco vezes”, na comparação entre as declarações de bens prestadas à Justiça Eleitoral nos anos de 2006 e 2010. Cameli declarou, em 2010, um patrimônio de R$ 581 mil.

Cameli disse que o crescimento patrimonial “se deu basicamente em decorrência da aquisição de veículos e de seu salário como parlamentar”.

Outro político que mencionou a ajuda financeira dos filhos foi o ex-deputado federal João Pizzolatti (PP-SC), 54, atual secretário estadual no governo de Roraima. Ele contou que “recebe uma ajuda de um filho”, de 30 anos de idade, além de obter “algum rendimento proveniente da venda de gado e do produto de reflorestamento”. Em 2010, Pizzolatti declarou patrimônio de R$ 1 milhão. Seu filho, que na época tinha 25 anos de idade e também foi candidato a deputado, declarou possuir R$ 2 milhões, incluindo uma empresa de cosméticos e outra de vigilância.

A PF quis saber quais as atividades econômicas do filho de Pizzolatti. O ex-deputado respondeu que ele é formado em propaganda e marketing e possui uma empresa em Manaus e um posto de gasolina. Pizzolatti contou que sua filha “morou um ano em Lugano, na Suíça”, com estudos custeados por ele e pelo filho. Porém, disse não se recordar de como eram feitos os pagamentos “para a manutenção da sua filha na Suíça”, pois “quem operacionalizava isso era” sua ex-esposa.

O deputado Waldir Maranhão (PP-MA), 59, foi indagado pela PF sobre a evolução do seu patrimônio, que passou de R$ 240 mil, em 2006, para R$ 813 mil em 2014. O deputado disse que a evolução está “devidamente justificada” na declaração anual de imposto de renda à Receita Federal e que recebe, quando “ocorre alguma eventualidade”, “apoio financeiro de seu filho, que é médico, e de sua esposa”, professora da rede pública estadual de ensino no Maranhão.

Embora houvesse declarado um patrimônio de R$ 776 mil nas eleições de 2010, o deputado fez doações no valor total de R$ 557 mil à sua própria campanha eleitoral no mesmo ano (ele gastou ao todo R$ 821 mil no pleito). Indagado sobre isso, o deputado declarou que “não sabe precisar a origem” dos R$ 557 mil. Afirmou que sua campanha foi alvo de investigação no TRE (Tribunal Regional Eleitoral), mas o caso foi arquivado porque “não foram identificados nenhuma irregularidade ou crime”, conforme constaria em acórdão no TRE.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir