Fonte: OpenWeather

    Notas da Contexto


    Alessandra Campelo e Dermilson Chagas protagonizam briga na Aleam

    O " pau comeu" na Assembleia Legislativa. E dessa vez foram colocados de lado todas as regras de decoro e ética.

    Alessandra Campêlo (MDB) e o líder do governo Amazonino Mendes, deputado Dermilson Chagas (PP), protagonizaram uma discussão na Aleam
    Alessandra Campêlo (MDB) e o líder do governo Amazonino Mendes, deputado Dermilson Chagas (PP), protagonizaram uma discussão na Aleam | Foto: Malika

    Arranca-rabo na Assembleia Legislativa

    O pau comeu ontem (11) na Assembleia Legislativa.

    E dessa vez foram colocados de lado todas as regras de decoro e ética.

    A deputada Alessandra Campêlo (MDB) e o líder do governo Amazonino Mendes, deputado Dermilson Chagas (PP), protagonizaram uma discussão na mesa diretora da Casa, que faria Dercy Gonçalves corar de vergonha.

    Governo do Amor

    Tudo porque La Campêlo cobrou de Dermilson o empenho do governo do Amor nas emendas dos deputados de oposição, na Lei Orçamentaria Anual (LOA), que Amazonino está brecando.

    Alfinetada

    Dermilson foi irônico.

    E cutucou a deputada ao insinuar que a ela estaria envolvida na operação da Polícia Federal, a “Maus Caminhos”.

    Dou na cara

    Alessandra saltou nas tamancas.

    Irritada e com o dedo em riste partiu para cima do líder:

    — Me respeite! Seu safado! Vagabundo! Eu bato na tua cara!

    Gemido

    A reação de Dermilson foi light. Se limitou a suspirar:

    — Ai!

    Lenha na fogueira

    O deputado Josué Neto (PSD) tentou quebrar o gelo e disparou:

    — Você só descobriu agora que ele (Dermilson) é safado?

    Ninguém mexe

    Finalmente saiu a oitava assinatura para a instalação da CPI das Licitações.

    Dependendo do andar da carruagem, a Aleam poderá até pedir o impeachment de Mazoca.

    Ninguém tasca

    O deputado Sabá Reis (PR), autor do pedido da CPI, foi indagado se algum deputado pode recuar e retirar a assinatura.

    Sabá respondeu da forma que lhe é peculiar:

    — Podem até falar da tribuna que retiram a assinatura, mas no meu documento ninguém mexe -, afirmou.

    Concurso suspeito

    Os procuradores Carlos Alberto de Almeida e Elissandra Alvares, do Ministério Público de Contas (MPC), solicitaram ao TCE a suspensão do concurso público da Seduc.

    Festival de erros

    O certame foi realizado no último domingo (8) e foi marcado por irregularidades ocorridas durante a realização das provas.

    Bagunça geral

    De acordo com a representação, diversas irregularidades foram encontradas na realização das provas.

    Entre elas, o atraso na chegada dos cadernos de provas nos locais de exame, troca de provas entre municípios, transporte irregular de malotes e malotes com lacres violados.

    Sem qualificação

    O Instituto Acesso, responsável pelo certame, realizou apenas seis concursos ao longo de 21 anos de existência.

    Em tese, não possui a qualificação técnica necessária para ter sido contratado pela Seduc.

    Prova de mototáxi

    Há informações, ainda, de que o transporte das provas foi feita por mototáxi.

    Isto é, sem a mínima condição de segurança.

    Seja banida

    Sobre esse episódio lamentável, o presidente da Aleam, David Almeida (PSB), solicitou ao líder do governo, Dermilson Chagas (PP), que peça ao governador para banir o Instituto Acesso de atuar no Amazonas.

    Estão de olho

    David revelou ainda que há informações de que a empresa será a responsável pelo concurso da Polícia Militar, Civil e Bombeiros.

    Nasce a FUnATI

    A Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI) agora é Fundação.

    Oriunda de mensagem governamental, a Lei foi aprovada por unanimidade ontem (11), em votação da Aleam.

    Independência

    A partir da mudança, a UnATI recebe a denominação FUnATI e se desvincula da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

    Com autonomia financeira e administrativa, está apta a receber recursos tanto do governo federal como do setor privado

    Euler é o cara

    O deputado estadual Ricardo Nicolau (PSD) levantou a boa do médico Euler Ribeiro.

    Disse na tribuna da Assembleia que a transformação se deve, sobretudo, à atuação do diretor Euler Ribeiro, no decorrer dos últimos dez anos.