Dia a dia

Polícia trabalha com duas linhas de investigação sobre morte do advogado paraense em Manaus

O advogado paraense foi assassinado em Manaus no dia 24 de janeiro desse ano - foto: reprodução

O advogado paraense foi assassinado em Manaus no dia 24 de janeiro desse ano – foto: reprodução

Uma das equipes de investigação Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS),  coordenada pelo titular, Ivo Martins,  está no Pará, desde o último domingo (14), onde realiza diligências em prosseguimento às investigações em torno de homicídio de um advogado,  ocorrido em Manaus no dia 24 de janeiro deste ano. A polícia trabalha com duas linhas de investigação. 

Os policiais civis permanecerão no lugar até o próximo domingo (21), conforme o delegado Ivo Martins. Eles atuam no caso do homicídio do advogado paraense Jackson de Souza e Silva, que tinha 45 anos na ocasião do crime, ocorrido por volta das 23h40, no bairro Redenção, Zona Centro-Oeste.

A vítima, que ocupava a função de presidente da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do município de Parauapebas, no Pará, e estava em Manaus a trabalho, foi atingida com um tiro no abdômen no momento em que caminhava pela Rua 15 de Outubro. Segundo testemunhas, o homem  foi abordado por dois indivíduos que estavam em uma motocicleta.

De acordo com o delegado Ivo Martins, a Polícia Civil trabalha com duas linhas de investigação: latrocínio (roubo seguido de morte) e a outra hipótese é que o crime tenha sido encomendado. O titular da DEHS frisou que, apesar do caso parecer um latrocínio, por conta das circunstâncias que envolveram a morte de Jackson, eles levam em consideração a informação de que o advogado teria recebido algumas ameaças de morte no Pará.

“Nós coletamos várias informações relacionadas ao latrocínio, porém precisávamos intensificar as investigações em relação à suposta execução, considerando, principalmente o fato de que a vítima era presidente da Subseção da OAB no estado do Pará, Jackson teria sofrido algumas ameaças de morte por conta da atividade profissional dele, razão pela qual estamos fortalecendo as apurações nesse sentido”, finalizou Martins.

Com informações da assessoria de comunicação

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top