Dia a dia

PMs são agredidos por torcedores, na Cidade Nova

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) encaminhou as vítimas ao Hospital e Pronto-Socorro João Lucio, na Zona Leste, onde permanecem em estado grave - foto: divulgação

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) encaminhou as vítimas ao Hospital e Pronto-Socorro João Lucio, na Zona Leste, onde permanecem em estado grave – foto: divulgação

Dois policiais militares lotados no Batalhão de Choque da Polícia Militar foram espancados por um grupo de torcedores do Paysandú, após a esposa de um dos PMs ter sido assaltada por dois homens. O crime ocorreu por volta das 20h30 do último domingo (20), na rua 202, no Chapéu de Zinco, bairro Cidade Nova, Zona Norte. Os PMs encontram-se internados em estado grave no pronto-socorro João Lúcio.

Na ação, os soldados Jeferson Jesus de Castro e André Luis Silva do Rosário, 32, balearam dois homens, supostamente, suspeitos do crime. Os feridos foram o representante de uma torcida organizada, Eloilson Cruz de Oliveira, 30, e o torcedor Cadu Cavalcante Almeida, ambos baleados na perna.

De acordo com familiares de André, a esposa dele Jadilene Volrrath da Silva estava em frente de sua casa acompanhada de uma amiga, cujo nome não foi relevado, quando dois suspeitos a abordaram e levaram sua bolsa e seu celular.

Ainda conforme a família de André, os policiais se deslocaram até o Chapéu de Zinco e se separaram com um grupo de pessoas e iniciaram uma discussão, tentando localizar os suspeitos do roubo e quando chegaram em frente ao Chapéu de Zinco, um dos homens falou “pega ladrão”.

Outra versão

No entanto, conforme um integrante da torcida organizada, que preferiu não se identificar, os PMs à paisano chegaram em uma motocicleta no local que ocorria o evento e efetuaram disparos contra os participantes da confraternização.

A testemunha informou, ainda, que o espancamento ocorreu porque os PMs atiraram contra os integrantes da torcida. “Não existe a possibilidade de eles serem suspeitos. Ocorreu uma premiação, um evento e eles estavam participando. Estamos reunindo fotos para que possamos provar que eles não têm envolvimento nenhum com isso. Os advogados deles estão trabalhando para provar a inocência deles”, afirmou a testemunha, completando que os PMs chegaram atirando nas pessoas que estavam na frente do Chapéu de Zinco. A Polícia Militar está tomando todas as medidas para tentar identificar os demais autores das agressões.

Por Bruna Souza

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir