Saúde e Bem Estar

Plástica após a gravidez

Gravidez na adolescência

Gravidez na adolescência

O sonho de ser mãe é um desejo de quase toda mulher. Mas a tão sonhada gravidez traz diversas mudanças não só emocionais, assim como as transformações físicas que podem deixar marcas no corpo durante e após a gestação. As temíveis estrias e pele flácida são as principais queixas nos consultórios especializados em estética e cirurgia plástica, como revela o cirurgião plástico Elizeu Lavor, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

O especialista explica que muitas mulheres, após a gravidez, acabam sofrendo com as mudanças físicas que a gravidez deixa no corpo. E, buscando um retorno mais rápido na solução do problema, muitas acabam optando pela cirurgia plástica ao invés de buscar outros tipos de tratamentos estéticos, que prometem funcionar, mas que demandam um tempo maior para mostrar os resultados.

Procedimentos

Entre as cirurgias plásticas mais procuradas por mulheres após a gravidez, estão o levantamento de mamas e a retirada do excesso de pele e estria abdominal, conhecida como abdominoplastia. Dependendo do grau de necessidade da correção tanto da mama quanto do abdômen, o cirurgião ressalta que o tamanho da incisão varia.

“Sem dúvidas as alterações mais frequentes após a gravidez são aquelas nas mamas e no abdômen. Com o desenvolvimento da mama para a amamentação, após o cessar desta, a glândula costuma atrofiar, algumas vezes até mais do que era antes da gravidez, gerando assim uma flacidez”, explica o médico.

Portanto, diz o cirurgião plástico, quando a flacidez da mama é pequena, a colocação de uma prótese, por meio de uma pequena incisão de cerca de 4 cm pode resolver o problema. Quando a flacidez já é um pouco maior, se faz necessária a retirada de pele, podendo gerar desde uma cicatriz em volta da aréola quanto uma cicatriz em “T invertido.

“O abdômen também dilata na gravidez. A musculatura se ‘afasta’ e nem sempre volta ao normal. Quando não há uma grande flacidez muscular nem da pele, a realização de uma lipoaspiração pode recuperar harmonia do contorno abdominal. Porém, na presença de flacidez, pode ser necessária retirada de pele e correção da musculatura, por meio da miniabdominoplastia ou abdominoplastia. Neste último caso, todas as estrias presentes do umbigo até a região pubiana também serão eliminadas”, explica Lavor.

 

Indicação

Elizeu Lavor revela que é preciso esperar no mínimo 6 meses após o parto para realizar um procedimento cirúrgico como esses. O especialista ressalta, ainda, que antes de tomar qualquer decisão a respeito da intervenção cirúrgica, em caso de insatisfação com o corpo após a gravidez, a mulher deve avaliar se pretende ter ou não outro filho no futuro.

“O ideal, mesmo, para que se possa realizar uma cirurgia em mulheres que acabaram de dar a luz, é após 9 meses, considerado período necessário para o reequilíbrio hormonal e menor risco de complicações, tais como trombose e embolia”, destaca o especialista.

Ele informa, também, que é importante recuperar o peso prévio a gestação, e sobretudo, ter tempo para cuidar da prole neste momento tão único, sem as restrições impostas para plena recuperação cirúrgica.

Cuidados

“Também é necessário já ter suspenso o aleitamento, pois os medicamentos anestésicos e os necessários após o procedimento podem passar pelo leite e prejudicar o bebê. Digo que é sempre muito importante procurar definir a probabilidade de gravidezes futuras. Como regra, costumamos ser liberais nas correções mamárias, pois independente de qualquer outro fator, gravidezes futuras ou não, quem opera a mama e quer mantê-las sempre esteticamente em ordem já tem que se programar para em um período médio de 8 a 10 anos passar por outro procedimento”, alerta o médico.

Já no caso da abdominoplastia é diferente, pois em geral é uma cirurgia feita uma única vez na vida e, preferencialmente, após a constituição da prole. “E caso já tenha feito a abdominoplastia e venha a ocorrer uma nova gravidez, por mudanças nos planos ou acidentes, a gravidez transcorrerá de forma normal, sem prejuízo para o bebê, mas eventualmente podem surgir muitas estrias na barriga da mãe”, finaliza.

 

Por Michele Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir