Política

PL que obriga hospitais se adequarem a pacientes obesos é deliberado na CMM

A proposta torna obrigatória nas unidades de saúde privadas a aquisição e adaptação de cadeiras de rodas, assentos de espera, macas, materiais de coleta de sangue, rampas de acesso, largura das portas, entre outros dispositivos – foto: Alberto Cesar

A proposta torna obrigatória nas unidades de saúde privadas a aquisição e adaptação de cadeiras de rodas, assentos de espera, macas, materiais de coleta de sangue, rampas de acesso, largura das portas, entre outros dispositivos – foto: Alberto Cesar

Projeto de Lei (PL) que obriga as unidades de saúde particulares da capital adquirirem equipamentos e adequarem suas estruturas para atender às pessoas com obesidade teve deliberação aprovada na manhã desta segunda (15), na Câmara Municipal de Manaus (CMM).

O PL nº 129/2015, que prevê essa obrigatoriedade para hospitais, unidades médicas emergenciais e laboratórios pertencentes à iniciativa privada, segue agora para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da casa legislativa.

A proposta determina que seja obrigatória a aquisição e adaptação de cadeiras de rodas, assentos de espera, macas de transporte, macas fixas, materiais e equipamentos de coleta de sangue, rampas de acesso às unidades hospitalares, largura das portas, entre outros.

De acordo com pesquisas, Manaus é a quarta cidade do Brasil com o maior número de pessoas obesas. A estimativa é de que existam 300 mil pessoas obesas na cidade, fatia que chega a ser maior do que a população total do município de Manacapuru (a 68 quilômetros da capital).

“Essas pessoas têm direito, são dotadas de plena cidadania. Nosso projeto tem o objetivo de indicar tratamento igual para esses cidadãos com suas peculiaridades, garantindo-lhes um mínimo de dignidade. Espero que nossa proposição seja aprovada”, destacou o autor do Projeto de Lei, vereador Professor Bibiano (PT).

Caso aprovado, o projeto prevê multa de até 500 Unidades Fiscais do Município (UFM) – ou R$41.890, uma vez que o valor de uma UFM é de R$ 83,78. Em caso de reincidência, a multa será aplicada em dobro, além da cassação de Alvará na terceira infração constatada.

“Nossa proposta, acima de tudo, pretende proporcionar condições igualitárias em serviços básicos que todo o cidadão necessita, tornando a dignidade da pessoa humana um princípio aplicável na vida das pessoas obesas”, enfatizou o petista.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir