Dia a dia

PF não descarta prisão de novos envolvidos no esquema de fraude na saúde do Amazonas

A operação ‘Maus Caminhos’ não descarta a possibilidade de ter novos pedidos de prisões preventivas - foto: Arthur Castro

A operação ‘Maus Caminhos’ não descarta a possibilidade de ter novos pedidos de prisões preventivas – foto: Arthur Castro

Após ser deflagrada e prender, preventivamente, 13 pessoas, a operação ‘Maus Caminhos’, da Polícia Federal do Amazonas (PF-AM), não descarta a possibilidade de ter novos pedidos de prisões preventivas com nomes de outros envolvidos por suposta associação ao esquema fraudulento que desviou mais de R$ 112 milhões dos recursos para a saúde no estado. Os pedidos devem ser solicitados nos próximos dias.

Procurado pela reportagem do EM TEMPO nesta quarta-feira (21), o superintendente da PF-AM, Marcelo Rezende, disse que, neste momento, não pode repassar muitas informações sobre o caso para não atrapalhar as investigações. Na ocasião, Rezende não descartou a possibilidade de outras pessoas estarem envolvidos no esquema que desviou mais de R$ 112 milhões da saúde nos últimos dois anos.

“Todo e qualquer desdobramento das investigações e questões da Polícia Federal correm sob sigilo. A imprensa vai ficar com esse questionamento em aberto, mas, dependendo do que pode surgir nos próximos dias, novas prisões podem ocorrer sim”, disse.

O desvio dos recursos públicos do Fundo Estadual de Saúde do Amazonas, que era comandado pela diretoria da Instituição Novos Caminhos e mais três empresas terceirizadas, foi descoberta após uma auditoria feita pela Controladoria Geral da União (CGU), iniciada há dois anos.

Durante o cumprimento dos mandados expedido pela Justiça Federal, realizado na última terça-feira por meio da operação ‘Maus Caminhos’, a PF-AM apreendeu avião, helicópteros, carros e imóveis de alto luxo, documentos, além de executar 13 prisões preventivas, quatro temporárias e três conduções coercitivas.

O Ministério Público do Estado (MPE) destacou que já existe um inquérito em relação a essa questão tramitando desde 2014 na 77ª Promotoria de Patrimônio Público. O caso está sob a responsabilidade do promotor de justiça Edilson Martins, que não foi localizado até a publicação desta matéria para falar sobre o desdobramento das investigações. O diretor do Instituto Novos Caminhos também não atendeu às ligações da reportagem.

Por Gerson Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir