Economia

Petrobras deixará setores de biocombustíveis, petroquímica e fertilizantes

O novo plano foi aprovado pelo Conselho de Administração da companhia e prevê investimentos 25% menor que estimado em janeiro deste ano - foto: Divulgação

O novo plano foi aprovado pelo Conselho de Administração da companhia e prevê investimentos 25% menor que estimado em janeiro deste ano – foto: Divulgação

O novo Plano de Negócios e Gestão 2017-2021 da Petrobras, anunciado nesta terça-feira (20), prevê a retirada ‘integral’ da estatal dos setores de produção de biocombustíveis, distribuição de GLP (gás de cozinha), produção de fertilizante e das participações da companhia na petroquímica para, segundo a empresa, “preservar competências tecnológicas em áreas com maior potencial de desenvolvimento”.
O novo plano foi aprovado nessa segunda-feira (19) pelo Conselho de Administração da companhia e prevê investimentos de US$ 74,1 bilhões. O volume é 25% menor que o previsto no plano anterior para o período 2015-2019, que foi revisado em janeiro deste ano e que previa investimentos de US$ 98,4 bilhões.

Do total a ser investido, 82% serão destinados à área de Exploração e Produção e 17% à área de Refino e Gás Natural. Outras áreas da companhia responderão por apenas 1% dos investimentos previstos.

Segundo a empresa, apesar do corte nos investimentos a meta de produção no Brasil de óleo e gás natural foi fixada em 2,8 milhões de barris por dia para 2021, considerando a entrada em operação de 19 sistemas de produção no período de 2010 a 2021.

Na avaliação da Petrobras, a sustentabilidade da curva de produção da empresa vem sendo garantida pela combinação de melhoras crescentes no desempenho operacional e a aplicação de novas tecnologias. “O tempo médio para construir um poço marítimo no pré-sal da Bacia de Santos era, em 2010, de aproximadamente 152 dias. Em 2016, esse tempo baixou para 54 dias, numa velocidade três vezes maior em relação a 2010”, exemplificou a empresa.

O presidente da estatal, Pedro Parentes, explicou que o plano trabalho vai contemplar diferentes cenários. “Nos primeiros dois anos estaremos apertando o passo para alcançar a saúde financeira e assim antecipando a nossa meta de endividamento em dois anos. A partir destes dois anos recuperamos o crescimento da nossa curva de produção, registrando crescimentos, mas operando de forma disciplinada e equilibrada”, disse.

Plano estratégico

O novo Plano Estratégico para o período de 2017 a 2021 anunciado pela Petrobras trabalha com dois indicadores principais. A taxa de acidentados registráveis (TAR) – indicador da indústria que mede todos os tipos de acidentes e incidentes ocorridos – e a meta financeira, propriamente dita. No primeiro caso, o plano prevê a redução da TAR, por milhão de homens hora, dos atuais 2,2 em 2015 para 1,4 em dois anos, chegando a um em 2021.

Já a meta financeira estabelece que a dívida líquida da empresa seja equivalente a 2,5 vezes sua geração de caixa já em 2018 e não mais em 2020 como constante no plano anterior. De acordo com o balanço anual, em 2015 esse índice estava em 5,3.

Além da redução no indicador de tipos de acidentes, a empresa pretende, nos próximos dois anos, recuperar a solidez financeira da companhia, passando a atuar mais como uma empresa integrada de energia, mas tendo como foco principal os setores de óleo e gás. “No horizonte total dos cincos anos desse planejamento, a nossa proposta é que a empresa tenha sido saneada, tenha padrões de governança e ética inquestionáveis para sustentar uma produção crescente, mas realista, e capaz de investir e se posicionar nos processos de transição por que passa o mercado de energia no mundo”, ressaltou Parente.

Biocombustíveis

Sobre a decisão da empresa de se retirar “integralmente” dos setores de produção de biocombustíveis, distribuição de GLP (gás de cozinha), produção de fertilizante e das participações da companhia na petroquímica, o presidente da estatal afirmou que o objetivo é concentrar as atividades onde ela atua melhor, sem necessariamente ser uma empresa menor.

“Ela não vai ser uma empresa menor, por exemplo, na produção de óleo e gás. Nossa produção, a partir de 2019, cresce e chega no final do período com uma expansão da ordem de 30% a 40% na curva de produção de óleo. E quando você olha a produção de óleo e gás vocês podem ver que a gente ultrapassa os três milhões de barris equivalente por dia (petróleo e gás), passando a ser uma empresa de 3,4 milhões de barris equivalente por dia, portanto, uma empresa bastante relevante no cenário internacional”.

Para Pedro Parente, a saída da empresa do setor de biocombustíveis implicará na venda dos ativos de posse da empresa. Ele, no entanto, explicou a decisão da companhia. “Claramente não somos os melhores operadores deste tipo de produto. O Etanol, por exemplo, é um produto basicamente agrícola e certamente não é a nossa especialidade e a gente tem que ter humildade de reconhecer que tem gente que faz isto melhor do que nós”.

Desinvestimento

Para melhorar a capacidade de investimento da estatal sem a necessidade de fazer novas captações de recursos no mercado e, consequentemente, alavancar ainda mais a empresa, excessivamente endividada, a Petrobras vai ampliar ainda mais o seu Plano de Desinvestimento, mantendo o ritmo intenso de parcerias e desinvestimentos que nos próximos dois anos devem somar US$ 19,5 bilhões. No plano anterior, este desinvestimento era da ordem de US$ 15,1 bilhões.

Esse resultado deve ser atingido por meio de crescentes parcerias estratégicas na área de Exploração e Produção, além de Refino, Transporte, Logística, Distribuição e Comercialização. Na avaliação da empresa é melhor compartilhar riscos e desonerar investimentos.

A Petrobras espera que a partir do programa de parcerias e desinvestimentos possa alavancar investimentos adicionais que podem superar US$ 40 bilhões nos próximos dez anos. “Toda vez que nós fizermos uma parceria ou desinvestimentos será oferecido aos empregados um plano de demissões voluntárias. O número de demissões dependerá de cada transação”, disse Parente.

Preço dos derivados

O presidente da Petrobras deixou claro que a companhia tem autonomia para fixar o preço do combustível por ela comercializado, mas que decisões neste sentido serão tomadas de acordo com a conveniência da própria estatal e a realidade do mercado.

“Essa é uma pergunta que sempre se coloca [a da autonomia do reajuste de preços] e eu acho que a dúvida surge porque o preço tem permanecido inalterado. Mas ele está inalterado por uma razão simples: nas análises que nós fazemos dentro da companhia a gente chega a conclusão que não é preciso, ainda, mexer no preço”, disse.

Parente, no entanto, foi enfático sobre a autonomia da diretoria da estatal em relação a aumento de preços: “Nós temos total autonomia, é decisão da empresa e quando nós acharmos que devemos mexer [nos preços] nós vamos mexer. A impressão de que as coisas continuam como estão porque nós não mexemos nos preços é uma conclusão equivocada que não corresponde à realidade”.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir