Economia

Petrobras cai mais de 3% após S&P, mas exportadoras amparam Bolsa

Após perder na véspera o selo de bom pagador conferido pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s, a Petrobras recuou mais de 3% na Bolsa brasileira nesta sexta-feira (11), ajudando o Ibovespa a fechar no vermelho pelo terceiro dia, embora o bom desempenho das ações de exportadoras tenha limitado a baixa do índice.

A avaliação da dívida da Petrobras, seja em moeda estrangeira ou nacional, caiu de BBB- para BB na escala da S&P. O anúncio seguiu o corte da nota soberana do país, por isso já era esperado, segundo analistas. Além da petroleira, outras empresas tiveram a nota de crédito rebaixadas.

A decisão da S&P, no entanto, reforçou a cautela do mercado em relação à economia brasileira, elevando a urgência de serem tomadas novas medidas de ajuste fiscal, dizem analistas.

Para tentar resgatar a credibilidade, o governo sinalizou que mudanças devem ser anunciadas em breve. Reportagem da Folha de S.Paulo nesta sexta-feira revelou que a presidente Dilma Rousseff estuda substituir o ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) por um nome que atue como uma espécie de “primeiro-ministro” e que não seja filiado a seu partido, o PT. O Planalto negou a intenção de troca do ministro.

O Ibovespa teve desvalorização de 0,22%, para 46.400 pontos. O volume financeiro foi de R$ 6,025 bilhões. Com este desempenho, o índice acumulou na semana leve perda de 0,21% –foi a segunda semana consecutiva de baixa.

As ações preferenciais da Petrobras, mais negociadas e sem direito a voto, tiveram queda de 3,89% no dia, para R$ 7,66 cada uma. Já as ordinárias, com direito a voto, recuaram 5,37%, a R$ 8,81.

“A Petrobras é altamente endividada. Através do novo plano de negócios ela terá redução de custos, por opção, se tornando mais enxuta para retomar crescimento. Além disso, o rebaixamento deixa a estatal com mais dificuldade de se financiar”, disse Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora.

Na véspera, a Petrobras informou que já cumpriu suas metas de financiamento “no médio prazo” e que não tem empréstimos atrelados ao rating de agências classificadoras de risco.

O ministro Eduardo Braga (Minas e Energia) disse nesta sexta que o rebaixamento da Petrobras representa “uma questão passageira”. Também nesta sexta dois bancos americanos reduziram sua avaliação sobre a companhia. O Bank of America Merrill Lynch e o JP Morgan cortaram a recomendação para a estatal de compra para neutra.

Dólar e juros

O apetite por venda de dólares visto no início da semana durou pouco e os investidores voltaram a demandar a moeda americana nesta sexta-feira. De forma geral, analistas ainda veem poucos motivos para operar do lado da venda, diante da ausência de sinais claros de alguma resolução para a atual crise no Brasil.

Além disso, o dólar registrou alta nesta sessão frente a algumas divisas emergentes e correlacionadas aos preços das commodities, em dia de forte baixa do petróleo.

Dados sobre os preços ao produtor nos Estados Unidos ampararam expectativas de alta de juros naquele país a poucos dias da reunião de política monetária do Federal Reserve (banco central dos EUA). Por outro lado, o índice de confiança do consumidor americano caiu em setembro mais que o esperado, sinalizando menor disposição de gastos.

O dólar à vista, referência no mercado financeiro, fechou o dia com valorização de 1,21% sobre o real, cotado em R$ 3,880 na venda. É o maior valor desde 23 de outubro de 2002, quando valia R$ 3,901 (ou R$ 6,60 hoje, após correção inflacionária). Na semana, houve avanço de 1,15%.

Já o dólar comercial, utilizado em transações de comércio exterior, teve alta de 0,72% no dia e de 0,49% na semana, para R$ 3,878 na venda. Também é o maior valor desde 23 de outubro de 2002, quando valia R$ 3,910 (ou R$ 6,62 hoje)

Operadores disseram que o Banco Central pode aumentar a intensidade de suas atuações no câmbio para conter a volatilidade da moeda americana, assim como fez na véspera, quando promoveu um leilão de US$ 1,5 bilhão de linhas de crédito -com isso, injetou dinheiro novo no mercado com compromisso de recompra em janeiro e abril do próximo ano.

A expectativa foi reforçada depois que o BC descartou, por ora, voltar a subir a taxa básica de juros (Selic) para conter o preço da moeda americana e, com isso, a inflação no país. Nesta sexta-feira, a autoridade promoveu apenas um leilão de rolagem de swaps cambiais para estender o vencimento de contratos que tinham prazos para o mês que vem. A operação equivale a uma venda futura de dólares.

A sinalização do BC também trouxe alívio ao mercado de juros futuros, que caíram na sessão -ainda que estejam em patamares considerados bastante elevados, compatíveis com um cenário de muitas incertezas. O contrato de DI para janeiro de 2016 teve taxa de 14,460%, ante 14,500% na sessão anterior. Já o DI para janeiro de 2021 cedeu para 15,110%, ante 15,150% na quinta-feira.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir