Economia

Petrobras aprova plano para abertura de capital da BR Distribuidora

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou plano de abertura do capital da BR Distribuidora, que poderá ter ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A decisão foi comunicada em fato relevante ao mercado nesta sexta-feira (7).

Em nota, o conselho esclarece que buscará as autorizações necessárias nos órgãos internos e reguladores. A nota informa também que o anúncio de oferta “dependerá de condições favoráveis dos mercados de capitais nacional e internacional”. Com uma rede de mais de 7,5 mil postos de combustíveis, a BR Distribuidora deverá ter cerca de 25% de seu capital ofertado na Bolsa.

A abertura do capital da BR Distribuidora está prevista no Plano de Negócios 2015-2019 da Petrobras. A medida é vista pela estatal como uma forma de atrair recursos para reforçar o caixa da Petrobras e viabilizar novos empreendimentos. Nos próximos cinco anos, a companhia prevê investimentos de cerca de US$ 130,3 bilhões, uma redução de 37% em comparação ao plano anterior (2014 – 2018).

Em resultado divulgado ontem (6), a Petrobras registrou lucro líquido de R$ 531 milhões no segundo trimestre deste ano. O resultado, de acordo com a companhia, é 90% inferior ao do período anterior e reflete maiores despesas operacionais que compensaram o aumento do lucro bruto.

Teleconferência

Diretores da Petrobras fizeram nesta sexta-feira (7) uma teleconferência com analistas de mercado. Na conversa, a diretora de Exploração e Produção da estatal, Solange Guedes, disse que a renegociação de contratos da Petrobras com fornecedores está evoluindo e deve superar as expectativas que constam no plano de negócios da estatal. De acordo com a diretora, as renegociações devem se encerrar em dois meses, e a intenção é reduzir os custos da estatal.

“Na área de extração e produção, onde se encontra o foco da companhia, estamos com uma ação bastante determinada de renegociação desses contratos”, disse Solange. Ela acrescentou que o objetivo é cumprir o plano de negócios de forma disciplinada.

Segundo Solange, a redução do preço do petróleo acaba por impactar na queda do custo de extração do barril em dólar. “Já chegamos a reduzir de US$ 9 para US$ 8 o barril o custo de operação do pré-sal no segundo trimestre.”

Conforme a diretora de Exploração e Produção da Petrobras. a expectativa é antecipar para este ano a interligação de alguns poços. Este ano, foram 39 poços interligados, e há previsão de mais 33 no segundo semestre.

O diretor Financeiro e de Relações com Investidores da estatal, Ivan Monteiro, disse aos analistas que “a redução de custos é uma preocupação permanente de toda a companhia”.

 

Por Agênciabrasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir