Economia

Pesquisadores da Ufam desenvolvem e lançam canal similar ao Netflix e Youtube

O ‘ICompTV’ disponibilizará conteúdo multimídia para o público em geral - foto: divulgação/Ufam

O ‘ICompTV’ disponibilizará conteúdo multimídia para o público em geral – foto: divulgação/Ufam

Pesquisadores do Instituto de Computação (IComp) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) criaram o aplicativo ‘ICompTV’, uma tecnologia similar à do Youtube e da Netflix. A ferramenta será usada para publicação e consumo de conteúdos multimídia gerados pelos professores do Icomp e já está disponível na Google Play.

Segundo o coordenador do estudo, professor e doutor em ciências da computação César Melo, o ‘ICompTV’ é resultado de um esforço que vem sendo desenvolvido ao longo dos últimos 3 anos no Icomp com foco em pesquisas relacionadas à transmissão de vídeos pela Internet. A pesquisa contou com a participação de três estudantes de graduação, dos cursos de engenharia da computação, sistemas de informação e ciências da computação, e de dois alunos de mestrado e doutorado em Informática, ambos da Ufam.

Conforme César Melo, um dos principais resultados da pesquisa é o domínio da tecnologia Streaming Adaptativo, que é uma forma de transmitir vídeo baseado na capacidade de transmissão da rede que o usuário está conectado.

A tecnologia é similar à usada por grandes distribuidores de vídeo, como o Youtube e a Netflix. “A forma mais simples de entender a tecnologia é você imaginar que cada pessoa tem um plano de dados, e esse plano de dados tem seu limite de transferência. O aplicativo é capaz de perceber qual é o plano, ou seja, qual a velocidade que está disponível em determinado instante, e usar essa velocidade para transmitir a melhor imagem que não ‘travaria’ o aplicativo. Ao longo da sessão, a tecnologia vai alterando de acordo como que está acontecendo com a rede de dados”, explicou.

O pesquisador completa que a tecnologia é uma evolução de outras ideias implementadas em anos anteriores, quando o usuário escolhia a qualidade que ele queria e isso ‘travava’ a transmissão.

“Como nossa proposta era demonstrar a aplicação da tecnologia, nós implementamos conteúdos do Icomp e criamos o piloto ‘ICompTV’, mas a forma como a tecnologia foi desenvolvida permite a utilização por outras instituições de forma customizada. Em outras palavras, eu poderia ter a ‘UfamTV’, a ‘SeducTV’. Qualquer instituição que gere conteúdo digital poderia utilizar a plataforma”, disse César.

Com informações de assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir