Economia

Pescado para a Semana Santa está até 20% mais barato nos feirões da Seprors

O consumidor vai encontrar oferta de peixes populares, tais como o tambaqui, matrinxã e pirarucu, além de quelônios – foto: divulgação

O consumidor vai encontrar oferta de peixes populares, tais como o tambaqui, matrinxã e pirarucu, além de quelônios – foto: divulgação

Com preços até 20% mais baratos do que os praticados nos mercados e feiras convencionais de Manaus, a Secretária de Estado de Produção Rural e Sustentabilidade (Seprors) iniciou nesta terça-feira (22) a venda de 500 toneladas de peixes no Feirão do Pescado. A iniciativa ocorre em função da Semana Santa e vai até o próximo dia 25.

Segundo a Seprors, o consumidor vai encontrar oferta de peixes populares, tais como o tambaqui, matrinxã e pirarucu, além de quelônios. A venda de peixe será distribuída em três tendas instaladas em pontos estratégicos da cidade: no CSU do Parque 10, Zona Centro-Sul; no Centro Social da Família da Cidade Nova, Zona Norte; e no Feirão da Seprors (antiga Expoagro), no bairro Santa Etelvina, também Zona Norte. Nos quatro dias as tendas funcionarão de 7h às 21h.

Segundo o secretário Sidney Leite, a feira do Pescado já é tradição na Semana Santa, considerada pelos produtores e piscicultores um décimo terceiro antecipado.

“É importante que a população saiba que terá acesso ao pescado diretamente das mãos do consumidor, que recebe o apoio do governo do Amazonas. Temos o tambaqui e a matrinxã, criados nas regiões próximas a Manaus. Há ainda o desejado pirarucu, que é fruto do programa de desenvolvido com os piscicultores do Estado”, explicou.

Preço
Segundo a Secretaria Executiva de Pesca e Aquicultura da Seprors (Sepa), nesta época do ano o consumo de peixe sobe de uma média de 180 toneladas, em semanas comuns, para 360 toneladas na Semana Santa. Os valores praticados no feirão chegam a ser 20% mais baratos em relação ao preço normal. O preço do tambaqui, por exemplo, varia de R$ 5 a R$ 11 o quilo, o da matrinxã varia entre R$ 10 e R$ 15, o do pirarucu de R$ 7 a R$ 24 o quilo, e o dos quelônios acima de 1,5 quilos serão vendidos a R$ 28 o quilo.

O corte nos atravessadores é apontado pelos produtores como o principal incentivo para a redução nos preços. “A Seprors nos dá suporte logístico para que possamos vender direto para os consumidores finais, o que possibilita oferecer um preço mais competitivo”, disse a piscicultora Elaine Fortes.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir