País

Pedido de vista interrompe julgamento sobre classificação indicativa no STF

 

Teori Zavascki considerou que, pelo “decurso do tempo” e pela “evolução dos fatos”, a prisão em regime fechado “já não se mostra indispensável” – foto: José Cruz/ABr

 – foto: José Cruz/ABr

Mais um pedido de vista, do ministro Teori Zavascki, interrompeu no Supremo Tribunal Federal (STF) a conclusão do julgamento sobre a constitucionalidade da classificação indicativa de programas de rádio e televisão.

A ação que contesta a classificação foi impetrada pelo PTB em 2001 e tem quatro votos pela derrubada do artigo do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) que obriga emissoras de televisão a seguirem as faixas de horário da classificação para exibição de seus programas.

A classificação indicativa está prevista na Constituição e foi regulamentada no ECA. O partido questiona o Artigo 254 do estatuto, que prevê multa para as emissoras que transmitirem “espetáculo em horário diverso do autorizado ou sem aviso de sua classificação”.

O julgamento estava parado desde 2011 e foi retomado com voto do ministro Edson Fachin. O ministro votou pela manutenção da norma, mas para determinar que as emissoras não são obrigadas previamente a transmitir os programas de acordo com os horários da classificação. No entanto, se a transmissão for feita, as televisões poderão sofrer penalidades administrativas.

“O horário divisor de águas é medida que se apresenta diante da impossibilidade fática de se estabelecer outras restrições para efetivar uma proteção moral das crianças. Trata-se de se estabelecer regras indicativas para o controle de acessos aos espetáculos transmitidos por rádiodifusão, sem jamais impedir a veiculação de programação”, votou o ministro.

O posicionamento de Fachin diverge da posição do relator, ministro Dias Toffoli, e de três ministros que votaram em 2011, Ayres Britto (aposentado), Luiz Fux, e Cármen Lúcia. Para Toffoli, as emissoras não são obrigadas a seguir os horários e só podem ser punidas administrativamente se não indicarem no início da exibição a faixa etária a qual é destinada.

“Nós temos que superar esse modelo em que o Estado substitui a educação das pessoas de maneira absoluta, tirando e subtraindo a liberdade das pessoas de se autotutelarem”, reiterou o ministro.

A ação do PTB tem apoio da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). Organizações da sociedade civil defensoras dos direitos humanos são a favor da manutenção da classificação indicativa.

 

Por Agencia Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir