Política

Partido volta atrás e mantém cabeleireiro como candidato ao governo do Amazonas

PPL disse que mudaria a candidatura, mas desistiu após repercussão nas redes sociais – Fotos: Márcio Melo

Após repercussão nas redes sociais, o Partido Pátria Livre (PPL) desistiu de retirar a candidatura do cabeleireiro Jadelvoni Nogueira Deltrudes, o “Jardel”. Ele se candidatou ao governo do Amazonas, na última sexta-feira (23), após o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) autorizar candidaturas individuais. A vice da chapa “Puro Sangue” é a advogada Fabiana Silva Wilkens.

O registro dele, surpreendeu a todos, porque foi realizado por volta das 17h, da última sexta-feira (23), após a abertura de um edital para registros individual. No entanto, a legenda tinha a intenção de reuniu-se para trocar a chapa. O candidato foi anunciado no sábado (24), como o 9º postulante na disputa eleitoral, marcada para o dia 6 de agosto.

Segundo o presidente do PPL, José Ribamar, a diretoria entendeu que o nível de aceitação da chapa levaria a captar muitos votos de protestos, por ter candidatos sem experiência política. A unica disputa que Jardel concorreu, foi na eleição de 2012, que conquistou 1.148 votos para a vaga de vereador. “O percentual de aprovação foi altíssimo e em nossa reunião interna, concordamos que eles possuíam um bom histórico para disputar o pleito. Eles já foram comunicados da permanência como candidatos e ficaram muito felizes”, explicou Ribamar.

Jardel entrou na disputa eleitoral mas diz detestar a corrupção na política

A legenda prepara ainda um levantamento sobre quais bairros com maior densidade demográfica, para poder iniciar a captação de votos na capital amazonense. Ribamar revelou ainda, que a chapa estará presente no Festival de Parintins, que acontece de 30 de junho a 2 de julho. Para o presidente, além de divulgar os candidatos da sigla, a oportunidade levará o eleitor a conhecer as linhas programáticas do PPL. “Nosso partido tem compromisso forte com a moralidade e ética. Não temos nenhum vereador ou deputado envolvido com irregularidades”, alfinetou o presidente do partido.

Segundo o secretário judiciário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), Waldiney Siqueira, o registro de candidatura individual acontece quando o candidato, por contra própria, apresenta os documentos requeridos e solicita uma cadeira no pleito. “Geralmente, o prazo para esse tipo de candidatura acontece depois do tempo estipulado para o registro coletivo, que terminou no dia 19”, explicou Waldiney.

Mesmo com uma candidatura legal, o PPL não era impedido de trocar de candidatos. A manobra do PPL foi lançar uma candidatura para não perder o prazo de registro e depois disso decidir um nome para concorrer ao Governo do Amazonas. Caso haja mudança, a estratégia do partido corre riscos na avaliação do secretário judiciário do TRE. Isso porque, os responsáveis pela candidatura têm que apresentar motivos plausíveis para a troca dos nomes. “Eles podem trocar normalmente, mas é preciso que essa troca seja aprovada por um juiz relator do TRE. Para isso é preciso que sejam apresentados motivos claros”, disse Waldiney.

Outros oito candidatos foram registrados para a disputa da eleição suplementar. São eles: Amazonino Mendes (PDT), Eduardo Braga (PMDB), Marcelo Serafim (PSB), Luiz Castro (Rede), Liliana Araújo (PPS), Rebecca Garcia (PP), José Ricardo (PT) e Wilker Barreto (PHS).

Fabiane Morais e Gabriel Costa
EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir