País

Paralisação de rodoviários do DF entra no segundo dia

Mais de um milhão de pessoas continuam sem ônibus no Distrito Federal pelo segundo dia consecutivo. A população usa transporte alternativo e o trânsito fica complicado com mais carros nas vias. - foto: ABr

Mais de um milhão de pessoas continuam sem ônibus no Distrito Federal pelo segundo dia consecutivo. A população usa transporte alternativo e o trânsito fica complicado com mais carros nas vias. – foto: ABr

Rodoviários do Distrito Federal entraram nesta terça-feira (9) no segundo dia de greve. A categoria pede reajuste de 20% nos salários e de 30% no auxílio-alimentação e na cesta básica, além da manutenção dos planos de saúde. A estimativa do Transporte Urbano no Distrito Federal (DFTrans) é que a paralisação afete mais de 1 milhão de passageiros.

A manicure Josilene Moreira, 43 anos, mora no Varjão, a cerca de 10 quilômetros da área central de Brasília, e trabalha a perto de casa, mas prefere pegar ônibus todos os dias por medo de fazer o trajeto a pé sozinha. “Em dias comuns, fico 30 ou 40 minutos esperando ônibus. É um absurdo. Hoje, não sei que horas vou sair daqui”, contou, enquanto aguardava na parada.

Diante da greve, a opção adotada por muitos é o chamado transporte pirata – veículos sem licença para conduzir passageiros. Os preços cobrados, neste caso, chegam a R$ 10, dependendo do horário de circulação. A todo momento, é possível ver ônibus, micro-ônibus e vans piratas circulando pelas diversas regiões do DF.

“A situação é péssima. Já peguei transporte pirata ontem e hoje, provavelmente, vou ter que pegar de novo. O problema é que até eles estão passando lotados”, reclamou a recepcionista Sabrina Dias, 26 anos, moradora do Paranoá, a cerca de 20 km da Rodoviária de Brasília. Mesmo saindo de casa com mais de uma hora de antecedência, a jovem já sabia que chegaria atrasada ao trabalho por causa da paralisação.

Irene Rodrigues, 42 anos, mora no Itapoã, região a 15 km do centro de Brasília, e acordou cedo para acompanhar a filha em uma consulta médica, mas não sabia se conseguiria. “Minha menina foi ainda mais cedo com a vizinha, de transporte pirata mesmo. Daqui não tem ônibus nenhum saindo. Não tenho como ir. Até pirata está faltando”, contou.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários do Distrito Federal, Jorge Farias, informou que não há previsão para o fim da greve. Segundo ele, a categoria ainda não foi procurada pelo governo ou pelas empresas para negociar e, portanto, não há proposta a ser votada em assembleia.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir