Mundo

Papa visita campo de refugiados em ilha da Grécia

Segundo a agência grega de refugiados, o papa levaria um grupo de refugiados com ele na viagem de volta ao Vaticano - foto: divulgação

Segundo a agência grega de refugiados, o papa levaria um grupo de refugiados com ele na viagem de volta ao Vaticano – foto: divulgação

O papa Francisco visitou neste sábado (16) a ilha grega de Lesbos para dar apoio aos milhares de refugiados detidos após a entrada em vigor do controverso acordo entre União Europeia e Turquia para conter o fluxo migratório no continente.

No que chamou de “viagem da tristeza” antes de sua chegada, o pontífice se encontrou com cerca de 250 detentos do campo de Moria -em sua maioria sírios que entraram com pedido de asilo na Grécia- e conheceu um grupo de menores que fizeram a travessia do mar Egeu desacompanhados. “Vocês não estão sozinhos”, disse Francisco em sua saudação. “Esta é a mensagem que desejo deixar a vocês: não percam a esperança!”

Segundo a agência grega de refugiados, o papa levaria um grupo de refugiados com ele na viagem de volta ao Vaticano, para marcar sua crítica à atual política europeia de fechar suas fronteiras. A TV estatal da Grécia disse que seriam dez pessoas (oito sírios e dois afegãos), mas o Vaticano ainda não havia confirmado a informação.

Os menores foram colocados na entrada de Moria, e algumas seguravam bandeiras da Síria. Ao lado do premiê grego, Alexis Tsipras, e do patriarca Bartolomeu, líder da Igreja Ortodoxa, o papa cumprimentou refugiados, que ficaram atrás de uma barreira de metal, e afagou o rosto de alguns crianças.

Tsipras disse a Francisco que “esta é a ilha que tem suportado todo o peso da Europa em seus ombros”. Dos cerca de 1,1 milhão de pessoas que chegaram ao continente no ano passado, 850 mil entraram pela Grécia, e a principal porta de entrada é Lesbos, por estar a menos de 30 km do litoral turco.

A Grécia tem hoje cerca de 53 mil refugiados vivendo em seu território, dos quais em torno de 5 mil chegaram após o dia 20 de março, data de início do acordo UE-Turquia, e estão retidos nas ilhas do Egeu. Pelo pacto, esse contingente está sujeito a ser deportado de volta para solo turco, mas tem direito a pedir asilo e, se for aceito, permanecer na Grécia.

As entidades de direitos humanos têm criticado as condições no campo de Moria. O acesso a jornalistas não é permitido, mas funcionários dessas organizações de ajuda afirmaram que, para a visita do papa, paredes foram pintadas, o sistema de esgoto foi reparado e dezenas de detentos foram transferidos para outro centro, que não será visitado pelo papa.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir