Mundo

Papa recebe presidente argentino e debatem a pobreza e o narcotráfico

papa-francisco

A reunião foi a portas fechadas e tratou da situação na Argentina e da luta contra a pobreza e o narcotráfico. foto: reprodução

O papa Francisco e o presidente da Argentina, Maurício Macri, reuniram-se em audiência privada no Vaticano, e trataram da situação na Argentina e da luta contra a pobreza e o narcotráfico.

Estas declarações foram prestadas aos jornalistas por Macri, em Roma, após a reunião, que durou 22 minutos.

“Falamos de forma geral da importância de termos em agenda pontos fundamentais como a unidade dos argentinos, a luta contra a pobreza e  o  narcotráfico”, disse o presidente argentino.

Macri qualificou a reunião como um “encontro entre dois velhos conhecidos” e mencionou a relação que tinham em Buenos Aires, quando Jorge Bergoglio [papa Francisco] era arcebispo e ele o alcaide da cidade.

O Chefe de Estado da Argentina disse que revelou a Francisco a “preocupação para unir os argentinos” e a necessidade de “deixar para trás os rancores” para se trabalhar numa “agenda comum” que leve o país “até ao futuro” e que resolva “os problemas de pobreza”.

Sobre este ponto, Macri afirmou que o pontífice se mostrou favorável a que os argentinos evitem “as posições extremistas para encontrarem pontos de encontro e trabalharem em conjunto”, e também realçou “a importância de recuperar a cultura do trabalho”.

“Eu comentei, e ele concordou comigo, que é muito importante que a Argentina volte a estabelecer relações com o mundo para que desta forma inicie um processo para atrair investimentos que fomentem o trabalho”, afirmou.

Também conversaram sobre a instituição Scholas Ocurentes, impulsionada por Bergoglio em 2013 e que se esforça para promover a integração social e a paz por maio da tecnologia, a arte e o desporto; e sobre a colaboração entre o Governo argentino e a Igreja Católica, noticiou a Efe.

O Presidente argentino reconheceu que o papa lhe deu vários conselhos: “Disse-me que tivesse paciência e que não hesite em enfrentar os problemas graves que são o narcotráfico e a corrupção, que fazem grande dano e obstaculizam oportunidades aos que menos têm”, disse.

 

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir