Mundo

Papa diz orar por vítimas de violência na Venezuela

 “Faço um apelo para que se ponha fim à violência e se encontre uma solução pacífica e democrática para a crise.”- foto: Angelo Carconi/Ansa/Agência Lusa

O papa Francisco voltou a pedir, neste domingo (2), o fim da violência na Venezuela e manifestou sua solidariedade com as famílias das vítimas nos protestos contra o governo Nicolás Maduro.“Asseguro minha oração por esta querida nação e expresso minha proximidade com as famílias que perderam seus filhos”, declarou o pontífice, um dia depois de o Ministério Público da Venezuela ter aumentado para 89 o número de mortes nesses três meses de manifestações.

“Faço um apelo para que se ponha fim à violência e se encontre uma solução pacífica e democrática para a crise.”

Leia também:Nomeado pelo Papa Francisco, Padre Bira é o novo bispo auxiliar de Belém no PA

De acordo com o Ministério Público e com a ONG Foro Penal, os protestos também deixaram cerca de mil feridos e 3.500 detidos.

Passaporte

O prefeito da oposição, Ramón Muchacho, denunciou que ao retornar à Venezuela de uma viagem ao Peru e Chile, as autoridades migratórias apreenderam e anularam seu passaporte.

“Ao chegar ao meu país, na imigração, me detiveram e anularam meu passaporte (…); Saí para reuniões importantes, entre outros assuntos, para denunciar a situação dos presos políticos”, escreveu Muchacho em uma rede social, do aeroporto internacional de Maiquetía, que atende Caracas.

Muchacho, que é prefeito do município de Chacao, reduto da oposição, disse neste domingo (2) que as autoridades não deram nenhuma explicação sobre o motivo pelo qual tiraram seu documento. “Apenas disseram que iriam devolvê-lo”, contou.

O dirigente considerou que o ocorrido é uma retaliação do governo pelos esforços ao defender “a democracia e a liberdade na Venezuela”.

Em 18 de maio, o líder da oposição venezuelana Henrique Capriles denunciou que as autoridades o impediram de viajar a Nova York para uma reunião com o Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas.

“Me informaram que meu passaporte foi cancelado. Meu passaporte está vigente até 2020. O que querem é que eu não vá às Nações Unidas”, afirmou Capriles.

O país atravessa um momento de profunda tensão política, com intensos protestos pedindo a saída do presidente Nicolás Maduro do poder.

Folhapress

Leia mais:

Papa presta condolências por vítimas de incêndio em Londres

Papa Francisco terá documentário dirigido pelo cineasta Wim Wenders

Papa Francisco visita Portugal para canonizar crianças de Fátima

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir