Sem categoria

Paciente denuncia suposto erro médico na maternidade Ana Braga

Familiares da paciente denunciaram o hospital por negligência – foto: divulfação

Familiares da paciente denunciaram o hospital por negligência – foto: divulgação

 

Após cinco dias internada em estado grave, devido a um erro médico que suturou as partes intimas durante a realização do parto, a paciente identificada como Joyce Ticiane Carvalho Costa, 22, que passou por uma nova cirurgia na noite do último domingo (15), saiu do estado crítico e permanece estável, como afirmou a família. Um inquérito será instaurado pela maternidade para apurar o caso.

O fato aconteceu na maternidade Ana Braga, localizada na Zona Leste, durante o procedimento ocorrido na terça-feira (10). A denúncia foi feita pela tia da paciente, Suely Costa, que contou que no início da semana passada, Joyce entrou em trabalho de parto e foi encaminhada para a maternidade Ana Braga, onde realizou o procedimento de forma normal.

Após o nascimento do filho, os médicos começaram a suturar as partes íntimas de Joyce, ligando o orifício anal ao canal da vagina, impedindo assim que a paciente realizasse as suas necessidades fisiológicas e provocando infecções graves.

“É inaceitável um erro tão grave assim, principalmente vindo de médicos que se dizem aptos a cuidar de um ser humano. Minha sobrinha estava há dias com muita dor, sem conseguir direito urinar e defecar”, disse.

A tia informou ainda que durante todos esses dias os familiares de Joyce estavam travando uma batalha incansável com a maternidade para que a mesma realizasse com urgência uma nova cirurgia para reverter o erro. Suely destacou que a cirurgia para a correção nas partes íntimas de Joyce só foi realizada na noite do domingo.

Em nota, a direção da maternidade Ana Braga informou que a paciente Joyce Ticiane Carvalho Costa realizou parto normal, durante o qual foi necessário fazer o procedimento de episiotomia (corte para ampliar o canal da passagem do bebê), o qual evoluiu com complicações. O hospital deverá abrir um procedimento para investigar o caso.

Por Gerson Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir