Política

Órgãos federais e estaduais recebem CPI que investiga ex-prefeito de Maués

Carlos Goés é investigado por desvio de R$ 5 milhões do Fundeb – Divulgação

A presidência da Câmara Municipal de Maués (distante 253 km de Manaus), protocolou, nesta terça-feira (11), ofícios no Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas da União, Tribunal de Contas do Estado, Polícia Federal, Tribunal de Justiça do Amazonas e Assembleia Legislativa do Amazonas que apresentam denúncias contra o ex-prefeito de Maués, Carlos Góes (PT). Ele é suspeito de participar de possíveis irregularidades no uso de recursos que deveriam ser destinados à educação do município, durante a sua gestão, em 2016.

De acordo com o presidente da Câmara Municipal de Maués, vereador Simildon Rocha (Pros), a Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI), instalada em março para investigar essas denúncias, precisa do apoio desses órgãos nas investigações.

“Formalizamos as denúncias e queremos que esses órgãos nos ajudem nessa investigação porque é povo de Maués que está deixando de usufruir dessa verba destinada a educação. O dinheiro desapareceu dos cofres públicos no ano passado”, afirma.

Ele explica que o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) enviou mais de R$ 20 milhões para Maués, no entanto, R$ 5 milhões deste montante sumiu dos cofres públicos em menos de 72 horas. Os outros R$ 15 milhões, que poderiam ser usados, por exemplo, para reformar escolas, foram gastos de forma indevida.

A comissão denominada CPI dos Precatórios é formada por cinco vereadores, sendo eles Luizinho Canindé (PMN), Rodrigo Bentes (PHS), Carla Leite (Prosa), Ronildo Santos (PSB) e Erasmo Alexandre (DEM). Após a criação da CPI, os parlamentares já fizeram, no mesmo dia, a primeira reunião ordinária para definir o rito de trabalhos e o cronograma de ações.

Durante 90 dias, essa comissão irá apurar o possível desvio de mais de 20 milhões de reais que prejudicou o município de Maués. Serão ouvidos todos os envolvidos nesse caso, principalmente o ex-prefeito, para que saber o que de fato aconteceu com esse dinheiro.

A reportagem entrou em contato com o ex-prefeito, pelo telefone 993xx-xx19, mas não obteve sucesso até a publicação deste conteúdo.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir