barra portal

Classificados

emprego botao
imoveis botao
Classitempo anuncie grátis

Indignação e desespero

Carlos Chagas - Articulista da agência "Alô Comunicação"
 

Melhor oportunidade não haverá do que um ano eleitoral para despertar a energia da indignação e acionar a explosão do desespero. Em especial porque o ensaio geral aconteceu a partir de junho do ano passado. Vem coisa por aí, não é preciso ser profeta para imaginar.

Porque nada mudou de essencial desde as manifestações de protesto diante dos péssimos serviços públicos, do descalabro na educação e na saúde, dos deficientes transportes coletivos, da falta de oportunidades para a juventude, da corrupção, da impunidade e do desdém que os privilegiados dedicam às massas.

 

O grave é que não há um comando central, muito menos uma ideologia a impulsionar esses movimentos gerados pela frustração social. Décadas de descaso encoberto pela propaganda e pela truculência levaram a maioria à situação de não haver retorno. Certos governos e algumas elites bem que demonstraram sensibilidade, mas foram levados de roldão pelo aumento das necessidades e das exigências. Assistencialismo dirigido não basta.

É bobagem imaginar que tudo não passará de baderna praticada pelos Black-blocs, pois eles nada mais são do que espuma encimando vasto tsunami prestes a invadir o território nacional. Seria bom prevenir, ao menos para evitar que o processo eleitoral não venha a constituir-se no maior sacrificado no altar da indignação e do desespero. Chegamos ao limite em que concessões não adiantam mais. É preciso mudar, reformar, até revolucionar. Mas como? E com quem?

Nunca será de mais buscar exemplos na História. Luis XVI tentou evitar o caos. Convocou os Estados Gerais, aceitou a diminuição da influência e dos privilégios da nobreza e do clero, reconheceu a Assembleia Nacional, depois Assembleia Legislativa, até botou no chapéu os laços tricolores.

Mesmo assim, acabou levado à força de Versailles a Paris para depois ser guilhotinado. Antes, ao tomar conhecimento da queda da Bastilha, indagou se era uma rebelião. Responderam-lhe que não. Era a revolução. Na França, a explosão popular acabou com a monarquia. Só que depois veio Napoleão...

Tarso finca pé – Exigência do governador Tarso Genro, do Rio Grande do Sul, para candidatar-se à reeleição: que a presidente Dilma compareça apenas ao seu palanque, durante a campanha. Como PMDB e PP terão candidatos, e ela tem no segundo mandato sua prioridade maior, o governador talvez venha a desiludir-se...

Último esforço – Combinaram os presidentes da Câmara e do Senado de promover um último esforço para a aprovação da reforma política, a partir de fevereiro e com prazo fatal para esgotar-se em julho. Para Henrique Eduardo Alves e Renan Calheiros, o ano parlamentar estará limitado ao primeiro semestre de 2014.

Depois, serão meses de recesso remunerado, com deputados e senadores empenhados na campanha eleitoral. Há quem suponha tratar-se de sonho de noite de verão. O que não foi feito em anos não se concretizará em meses.


O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 

Pesquisar no site

Rádio EM TEMPO

Videorreportagem Agora

Entrevistas

Articulistas

páscoa   Já perdi a conta das vezes que celebrei a missa no domingo de Páscoa de manhã. Uma, em...
por Dom Sérgio Eduardo Castriani
negros,-macacos-e-bananas   Está nas páginas dos jornais, nos noticiários e comentários das rádios e das televisões, a dar...
por João Bosco

Facebook

Charge do dia

charge-do-dia-19-de-abril-de-2014

publicidade

julio sumiu
Our website is protected by DMC Firewall!