Dia a dia

Operação Vorax: MPF-AM recorre de decisão judicial

O Ministério Público Federal do Amazonas (MPF/AM) recorreu contra sentença que absolveu parcialmente um ex-deputado estadual e ex-secretário municipal das acusações de diversos crimes relacionados ao esquema de fraudes no município de Coari (a 363 quilômetros de Manaus), revelado a partir das investigações da operação Vorax. O processo tramita em segredo de Justiça, sob o número 7663-52.2011.4.01.3200, e aguarda decisão da Justiça em relação ao recurso.

Na sentença, a Justiça Federal condenou o acusado a cinco anos e dez meses de prisão pelo crime de fraude continuada a licitações públicas, previsto na Lei 8.666/93, mas sustentou falta de provas para condenar o réu pelos crimes de falsificação de documentos públicos, falsificação de documentos particulares e falsidade ideológica.

Para o MPF/AM, na condição de  secretário de  Obras de Coari e até mesmo de prefeito daquela municipalidade – cargo que ocupou interinamente no segundo semestre de 2004 – o réu possuía meios suficientes tanto para prática dos crimes contra a fé pública. Essa era a base do esquema de fraude a licitações, como também para que essa atividade não fosse cometida, detendo, assim, poder de decisão e, por consequência, domínio do fato.

Provas

De acordo com o recurso apresentado pelo MPF/AM para pedir a revisão da sentença, as diversas citações em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça apontam claramente que, após reter a venda dos editais a empresas que não participavam do esquema criminoso, o então secretário era quem acertava os valores correspondentes a serem pagos a título de propina para efetivar o direcionamento das licitações, em reuniões o empresário que seria beneficiado, e depois atestava obras fictícias, inacabadas ou superfaturas

Linha de montagem

No segundo momento de atuação da organização criminosa – a investigação demonstrou que o grupo deixou de dividir os lucros dos certames com empresários e passou a utilizar empresas de fachada e em nome de laranjas – a Secretaria de Obras de Coari funcionou como “verdadeira linha de montagem de crimes contra a administração pública e contra a fé pública”.

Testemunhas

Depoimentos de testemunha colhidos pela Justiça também confirmam que o esquema era coordenado pelo réu, que passava as planilhas com os nomes das vencedoras antes mesmo da licitação e determinava à equipe de fraudadores a elaboração e assinatura de documentos falsos para efetivar as fraudes.

“O conjunto harmônico das provas demonstram com clareza a autoria dos delitos contra a fé pública praticados pelos funcionários da Prefeitura de Coari e tendo como autor mediato o réu, o qual comprovou-se categoricamente determinar e dominar, como então secretário de Obras de Coari, verdadeira linha de montagem voltada ao fabrico de documentos (públicos e privados) contendo falsificações material e ideológica”, sustenta o MPF/AM no recurso.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir