Dia a dia

Operação ‘Portelinha’ reforça policiamento em comunidade em Iranduba

Durante a manhã, as equipes patrulharam todas as ruas da comunidade, que registrou histórico de disputas de terra entre os comunitários - foto: divulgação

Durante a manhã, as equipes patrulharam todas as ruas da comunidade, que registrou histórico de disputas de terra entre os comunitários – foto: divulgação

A “Operação Portelinha”  foi deflagrada nesta quarta-feira(19) no Ramal da Portelinha, em Iranduba (a 27 quilômetros da capital), para coibir conflitos por posse de terras no local. As Polícias Civil e Militar deram suporte durante a operação .

Na ação, que seguiu determinação do governador José Melo, participaram policiais do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera) da Polícia Civil, o 31º Distrito Integrado de Polícia (DIP) de Iranduba e a 8ª Companhia Independente de Polícia Militar (8ª CIPM) de Iranduba e policiais da SSP-AM.

“Essa ação visa melhorar o policiamento no local, mostrando a presença do Estado e evitando conflitos por conta de disputas de terras”, destacou o secretário executivo de Operações da SSP-AM, Pedro Florêncio.

Ele destacou que a Polícia Militar está mantendo duas viaturas e duas motocicletas para o patrulhamento 24 horas na Comunidade Portelinha e na Serra Baixa. “O principal objetivo é realizar ações de patrulhamento ostensivo e comunitário, para interação com a comunidade, que pode ajudar e consolidar com informações para os inquéritos em andamento”, informou Florêncio.

Durante a manhã, as equipes patrulharam todas as ruas da comunidade, que registrou histórico de disputas de terra entre os comunitários. Além do policiamento ostensivo, o secretário executivo destacou que os policiais visitaram diversas casas e em conversas com os moradores ouviram relatos e reivindicações.

O delegado titular do 31º DIP de Iranduba, Paulo Mavignier, explica que na comunidade moram entre 80 a 100 famílias, mas que a maioria das casas pertence a pessoas que moram em Manaus e que estão em Iranduba apenas no fim de semana. “Essa é uma área que possui terrenos muito valorizados, por isso, a disputa pelas terras. Outras operações serão realizadas, inclusive com a própria prefeitura, para regulamentar a questão da legitimidade dos terrenos”.

Na última terça-feira (18), a Polícia Civil apresentou a dupla envolvida na morte de líder comunitária da comunidade, o caseiro Ronaldo de Paula da Silva, 21, conhecido como “Novo”, e o motorista Adson Dias da Silva, 38, o “Pinguelão”, que foram presos na manhã de segunda-feira (17), durante uma ação conjunta envolvendo policiais civis que atuam na Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Manacapuru e 31ª DIP de Iranduba, municípios a 68 e 27 quilômetros em linha reta de distância, respectivamente, da capital.

As diligências contaram ainda com o apoio de integrantes da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai) da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas (SSP-AM). As investigações apontam que Ronaldo e Adson participaram do homicídio da líder comunitária Maria das Dores Salvador Priante, ocorrido na noite da última quarta-feira (12).

Com informações  da assessoria de comunicação

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir