País

Ônibus da Rio-2016 com jornalistas é atingido, e dois ficam feridos

Um ônibus da Rio-2016 que levava jornalistas do Complexo Esportivo de Deodoro, na zona norte, para o Parque Olímpico da Barra, na zona oeste, teve duas janelas quebradas depois de ser atingido enquanto transitava, na noite desta terça (9).

Segundo relatos dos profissionais que estavam no veículo, havia 12 jornalistas a bordo, a maioria estrangeiros, voluntários e um policial. Duas pessoas teriam se ferido com os estilhaços das janelas.

O ônibus fazia o trajeto entre a Arena da Juventude (Deodoro) e o Centro de Mídia (Barra) pelo BRT Transolímpico, via expressa com faixa exclusiva, e foi atingido quando passava pelo bairro de Curicica, na zona oeste. Uma viatura do Exército fazia a escolta.

Não está claro o que atingiu e quebrou as janelas. Uma repórter do jornal “O Globo” que estava a bordo escreveu que “ao menos duas pedras acertaram os vidros” e afirmou que o policial embarcado também disse que se tratavam de pedras.

Já um repórter do jornal “O Estado de S. Paulo” e outros jornalistas que estavam no ônibus afirmaram se tratar de tiros, baseando-se nos barulhos que ouviram -e que afirmaram ser de disparos- e no fato de que as janelas ficaram com buracos de diâmetro pequeno.

As polícias civil e militar e as Forças Armadas envolvidas no esquema de segurança dos Jogos iniciaram uma investigação para saber o que atingiu o ônibus, e em que contexto.

Procurado pela reportagem, o Comitê Rio-2016 afirmou que vai aguardar o resultado da perícia para se pronunciar sobre o episódio.

Segundo o relato de um dos passageiros, que não quis se identificar, logo após ser atingido o veículo parou quando viu uma viatura da PM, mas o policial teria feito pouco caso do incidente e, mesmo sem examinar as janelas, assegurou que elas haviam sido atingidas por pedras.

O jornalista também se queixou da falta de auxílio dos agentes da segurança para os demais passageiros, alguns dos quais se jogaram no chão em pânico e começaram a chorar.

Um dos feridos pelos estilhaços das janelas foi um turco -que, segundo ‘O Estado de S. Paulo”, seria jornalista e, segundo “O Globo”, seria um voluntário dos Jogos da área de informática. Ele cortou o cotovelo com o vidro.

O outro atingido, que teria cortado um dos dedos, seria um jornalista bielo-russo. Os profissionais haviam trabalhado durante duas partidas do basquete feminino: Brasil x Belarus e Turquia x Japão.

Após a parada na viatura, o ônibus seguiu seu trajeto escoltado por veículos do Exército.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir