Esportes

Olimpíadas 2016: Estados Unidos e Colômbia se enfrentam em Manaus

O jogo ocorre na Arena às 18h - foto: Márcio Melo

O jogo ocorre na Arena às 18h – foto: Márcio Melo

A última rodada da fase de grupos do torneio feminino de futebol dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que acontece nesta terça-feira (9), coloca frente a frente os Estados Unidos, que somam seis pontos e 100% de aproveitamento no grupo G, e a Colômbia. O jogo começa às 18h (de Manaus), na Arena da Amazônia Vivaldo Lima.

As norte-americanas precisam pelo menos de um empate para garantirem a primeira colocação da chave, uma vez que ainda podem ser superadas pela França, que tem três pontos ganhos e no mesmo horário, só que na Arena Fonte Nova, em Salvador (BA), encaram a Nova Zelândia.

Zeradas no grupo G, as colombianas apenas cumprem tabela nesta terça-feira. O comandante da seleção feminina, Fabian Taborda, jogou a toalha antes mesmo de entrar em campo para enfrentar as norte-americanas. De acordo com ele, as adversárias são velhas conhecidas de suas comandadas e que, apesar de não estarem em grande fase, conseguem sempre conquistar títulos.

“Já enfrentamos elas em Mundiais e que já as conhecemos de outras Olimpíadas. O Estados Unidos é uma equipe que sempre vai avançando, ganhando nem que seja por 1 a 0, mas chega nas fases finais das competições e crescem na hora certa. Eles atacam e defendem bem. Amanhã vai ser uma partida boa, e tenho certeza que os Estados Unidos será campeão do Rio 2016, porque é uma equipe mais forte que as demais”, admitiu Taborda.

Torcida particular

Hoje a Arena da Amazônia Vivaldo Lima terá uma torcedora em especial para a seleção norte-americana. Mais especificamente para a goleiro Hope Solo. Trata-se da arqueira do Iranduba Suelane Fronta, a Sol.

“Gosto de todo o elenco dos Estados Unidos, pois elas, assim como o Brasil, são uma potência no futebol feminino. Mas meu carinho pela Hope Solo é maior, ainda mais por ela jogar na mesma posição que eu, que é o gol. Meu carinho e inspiração por ela surgiram quando um funcionário da escola me disse que ela era a melhor goleira do mundo, e aí comecei a pesquisar vídeos e fotos dela, e me apaixonei cada vez mais”, declarou a goleira do Iranduba.

Sol começou a disputar torneios escolares e, de acordo com ela, os vídeos da jogadora norte-americana lhe passavam maior confiança e inspiração. “Eu tinha assistia as defesas dela no meu computador, e colecionava fotos também. Ela, para mim, é a melhor goleira do mundo e isso nunca irá mudar”, garantiu.

Sol tem 18 anos e é natural da cidade de Rio Branco (AC). Ela já está no Hulk da Amazônia há seis meses e é uma das revelações do clube amazonense.

Polêmicas

Uma das maiores polêmicas antes dos Jogos Olímpicos envolvendo a goleira Hope Solo foi um post que ela fez nas redes sociais no dia 21 de julho, no qual postou uma foto com uma máscara de proteção contra mosquitos, segurando um pote de repelente, onde ela dizia: “Esse (repelente) eu não vou compartilhar. Arranjem o de vocês”, como forma de se declarar protegida contra o zika vírus no Brasil.

A postagem deixou muitos brasileiros chateados com a americana, que chegou a ser vaiada com gritos de “Zika”, nas últimas partidas das norte-americanas, em Belo Horizonte (MG).

Para Sol que é fã de Hope Solo, seu carinho e inspiração por ela continuam os mesmos. “Tem muitas pessoas que riem de mim, mas meu carinho por ela é único. Ela é minha inspiração desde pequena, foi um dos motivos por eu querer ser jogadora de futebol profissional, e isso não se apaga com uma simples opinião dela sobre o Brasil”, pontuou.

Por André Tobias, Wal Lima e Agências

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir