Dia a dia

Ocupação irregular é retirada de área verde, na Zona Norte

Estruturas dos barracos foram retirados pela polícia, da área verde ocupada irregularmente, na rua Curaçao, no bairro Nova Cidade - foto: Divulgação

Barracos foram retirados pela polícia, da área verde ocupada irregularmente, no bairro Nova Cidade – foto: Divulgação

Aproximadamente 250 estruturas de barracos foram destruídas por policiais militares do Comando de Policiamento Especializado (CPE) em uma ação de desocupação de área verde localizada na avenida Curaçao, bairro Nova Cidade, Zona Norte. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) informou que os barracos seriam vendidos por até R$ 3 mil. A ação foi conduzida por membros do Grupo Integrado de Prevenção às Invasões em Áreas Públicas no Estado (Gipiap).

De acordo com o comandante do Policiamento Especializado (CPE), tenente-coronel Cleitman Coelho, nenhum morador foi encontrado nos barracos. “Os moradores invadem essas áreas verdes e constroem barracos, com o passar do tempo eles retornam e vão habitando aos poucos até formar uma grande invasão. Não encontramos ninguém durante a retirada, mas se não fizéssemos nada, aos poucos eles iriam acabar com a vegetação”, salientou o tenente-coronel.

Ao todo, 40 homens do Batalhão de Choque e Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) atuaram na retirada das futuras instalações de invasão. Conforme o Gipiap, somente no início da semana, dois novos focos de invasão também foram combatidos em Manaus, sendo um no loteamento Águas Claras, bairro Novo Aleixo e a outro em uma área de preservação permanente (APP) no bairro Cidade Nova, Zona Norte.

Próximo aos barracos construídos com madeira e lonas de plástico, demarcações com fitas sinalizavam que novos casebres deveriam ser construídos brevemente. “Esses barracos já estavam há quase um mês. Retiramos tudo o que havia no local. Como em todos os casos de invasão que tem em Manaus, esses terrenos demarcados deveriam ser vendidos por valores irrisórios e muitas pessoas seriam enganadas como na invasão da Cidade das Luzes, no Tarumã, retirada no ano passado”, completou Cleitman.

Em dezembro de 2015, pelo menos 1,8 mil famílias foram retiradas à força da invasão Cidade das Luzes, mediante ordem de desocupação expedida pela Vara Especializada em Meio Ambiente e Questões Agrárias (Vemaqa).

Por Luis Henrique Oliveira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir